Você está aqui

Projetos MSF

MSF leva cuidados de saúde essenciais a quem mais precisa, em contextos como conflitos armados, epidemias, desnutrição, desastres naturais e exclusão do acesso à assistência médica. Todas essas situações pedem resposta rápida, além de profissionais médicos e logísticos especializados. Entretanto, também administramos projetos de longo prazo, prestando suporte a pessoas que tem enormes necessidades e em locais onde falta assistência adequada.

Atualmente, MSF leva ajuda humanitária a pessoas em cerca de 70 países. Veja o mapa e selecione uma atividade médica e o país desejado para saber mais sobre o trabalho de Médicos Sem Fronteiras pelo mundo.

  • Afeganistão
    33.939110
    67.709953
  • África do Sul
    -30.559482
    22.937506
  • Armênia
    40.069099
    45.038189
  • Bangladesh
    23.684994
    90.356331
  • Bolívia
    -16.290154
    -63.588653
  • Brasil
    -14.235004
    -51.925280
  • Bulgária
  • Burkina Faso
    12.238333
    -1.561593
  • Burundi
    -3.373056
    29.918886
  • Camarões
    7.369722
    12.354722
  • Camboja
    12.565679
    104.990963
  • Chade
    15.454166
    18.732207
  • China
    35.861660
    104.195397
  • Colômbia
    4.570868
    -74.297333
  • Congo Brazzaville
    -0.228021
    15.827659
  • Coréia do Norte
    0.000000
    0.000000
  • Costa do Marfim
    7.539989
    -5.547080
  • Egito
    26.820553
    30.802498
  • Etiópia
    9.145000
    40.489673
  • Filipinas
    12.879721
    121.774017
  • França
    46.227638
    2.213749
  • Geórgia
    0.000000
    0.000000
  • Grécia
    39.074208
    21.824312
  • Guatemala
    15.783471
    -90.230759
  • Guiné
    9.945587
    -9.696645
  • Haiti
    18.971187
    -72.285215
  • Honduras
    15.199999
    -86.241905
  • Iêmen
    15.552727
    48.516388
  • Índia
    33.376937
    74.315488
  • Irã
    32.427908
    53.688046
  • Iraque
    33.223191
    43.679291
  • Itália
    41.871940
    12.567380
  • Jordânia
    30.585164
    36.238414
  • Laos
    19.856270
    102.495496
  • Lesoto
    -29.609988
    28.233608
  • Líbano
    33.854721
    35.862285
  • Líbia
    26.335100
    17.228331
  • Madagascar
    -18.766947
    46.869107
  • Malauí
    -13.254308
    34.301525
  • Mali
    17.570692
    -3.996166
  • Marrocos
    31.791702
    -7.092620
  • Mauritânia
    21.007890
    -10.940835
  • México
    23.634501
    -102.552784
  • Mianmar
    21.913965
    95.956223
  • Moçambique
    -18.665695
    35.529562
  • Níger
    17.607789
    8.081666
  • Nigéria
    9.081999
    8.675277
  • Palestina
    32.129881
    34.870605
  • Papua Nova Guiné
    -6.314993
    143.955550
  • Paquistão
    30.375321
    69.345116
  • Paraguai
    -23.442503
    -58.443832
  • Quênia
    -0.023559
    37.906193
  • Quirguistão
    41.204380
    74.766098
  • República Centro-Africana
    6.611111
    20.939444
  • República Democrática do Congo
    -4.038333
    21.758664
  • Rússia
    61.524010
    105.318756
  • Serra Leoa
    8.460555
    -11.779889
  • Sérvia
    44.016521
    21.005859
  • Síria
    34.802075
    38.996815
  • Somália
    5.152149
    46.199616
  • Suazilândia
    -26.522503
    31.465866
  • Sudão
    12.862807
    30.217636
  • Sudão do Sul
    0.000000
    0.000000
  • Tadjiquistão
    38.861034
    71.276093
  • Turquia
    38.963745
    35.243322
  • Ucrânia
    48.379433
    31.165580
  • Uganda
    1.373333
    32.290275
  • Uzbequistão
    41.377491
    64.585262
  • Zâmbia
    -13.133897
    27.849332
  • Zimbábue
    -19.015438
    29.154857

Nepal

Dois terremotos atingiram o Nepal em 25 de abril e 12 de maio de 2015, causando a morte de aproximadamente 8.500 pessoas e deixando outras 20 mil feridas.

Depois do primeiro terremoto - de magnitude 7,8 - equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) foram enviadas rapidamente ao país e se concentraram em chegar aos habitantes das regiões montanhosas mais remotas. O epicentro do terremoto foi no distrito de Gorkha, 80 quilômetros a oeste da capital Katmandu.

MSF organizou um sistema de clínicas em helicópteros para oferecer cuidados de saúde e encaminhamento hospitalar para os casos de emergência. Clínicas regulares foram organizadas em vilarejos espalhados pelos distritos de Gorkha, Dhading, Nuwakot, Rasuwa, Sindhupalchowk e Dolakha. Seu foco, de acordo com as necessidades manifestadas pelas comunidades, foi o atendimento de saúde mental, as crianças com menos de 5 anos de idade e as gestantes.

Em Arughat, no distrito de Gorkha, MSF preparou um hospital inflável de 20 leitos com centro cirúrgico, salas de emergência, maternidade e reanimação. Este substituiu o centro de saúde local que tinha sido destruído pelo terremoto até que o Ministério da Saúde pudesse abrir uma estrutura semipermanente no fim de junho.

MSF também preparou uma clínica temporária em Chhapchet, distrito de Dhading, área bastante afetada. Profissionais ofereceram atendimento básico e realizaram intervenções cirúrgicas menores, envolvendo pacientes cujos ferimentos desenvolveram infecções, por exemplo.

Equipes de MSF já estavam atuando no momento em que ocorreu o segundo terremoto, no dia 12 de maio, e puderam iniciar a oferta de atendimento de saúde nas horas que se seguiram ao tremor.

Com a destruição completa de muitos vilarejos remotos e a rápida aproximação da temporada das monções, a distribuição de abrigos e as obras de saneamento se tornaram prioridade. MSF transportou cerca de 6 mil barracas tamanho família (e quase 13 mil chapas metálicas e 3 mil kits de reconstrução para erguer moradias mais permanentes) até as montanhas por via aérea e terrestre. Quando as monções chegaram, quase 10 mil famílias em Dhading, Nuwakot, Dolakha, Gorkha e outras partes do vale de Budhy Gandaki tinham alguma forma de abrigo.

Entre abril e julho, MSF realizou mais de 2.500 consultas de saúde e ofereceu apoio psicológico a mais de 7 mil pessoas, principalmente via helicóptero. Profissionais também trataram 240 pacientes com necessidades emergenciais e realizaram mais de 1.200 sessões de psicoterapia no hospital ortopédico de Katmandu. MSF distribuiu alimentos, além de abrigos e itens de cozinha e higiene, a quase 15 mil famílias. Equipes também prepararam uma rede de fornecimento de água para 7 mil desabrigados no campo de Cheechipathi, em Katmandu, e sistemas de saneamento em uma série de outros campos da cidade.

Após o estágio emergencial inicial, MSF reduziu suas atividades em julho de 2015, mas seguiu trabalhando em dois projetos localizados em Sangha e Charikot. Em Sangha, MSF trabalhou no Centro de Reabilitação para Traumas da Espinha, instalação de 50 leitos situada ao leste de Kathmandu. Depois do terremoto, um grande número de pacientes precisou de cirurgia, particularmente nos casos de ferimentos nos membros inferiores. Estes receberam fixação externa (procedimento para estabilizar e unir as extremidades de ossos quebrados com uma tala ou gesso), ou colocados em tração. MSF ofereceu reabilitação geral para os pacientes pós-operatórios com psicoterapia, curativos, acompanhamento médico e atendimento de saúde mental, construindo também uma nova ala para reabilitação geral com capacidade para 50 pacientes. Todas as atividades foram repassadas ao Centro de Reabilitação para Traumas da Espinha até o fim do ano.

Outra equipe de MSF trabalhou com profissionais do Ministério da Saúde no centro de atendimento primário de Charikot, vilarejo localizado no distrito de Dolakha (epicentro do segundo terremoto), na emergência, na internação e no centro cirúrgico, oferecendo apoio aos serviços laboratoriais e de raio-X. Todas essas atividades tinham sido repassadas a uma parceria público-privada no fim de 2015.

Três colegas mortos em um acidente de helicóptero

No dia 2 de junho, três de nossos colegas e um piloto perderam suas vidas em um acidente de helicóptero. Sandeep Mahat, Jessica Wilford e Sher Bahadur Karki (Raj), além do piloto Subek Shrestha, voltavam para Kathmandu depois de prestarem assistência nos vilarejos do distrito de Sindhupalchowk quando o acidente ocorreu. É com grande tristeza que nos despedimos deles.
 

Em foco

0:00

Resumo das principais atividades da organização médico humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras ao redor do mundo, em Junho de 2017.

Como ajudar