Em Uganda, Médicos Sem Fronteiras (MSF) oferece cuidados a pessoas que vivem com HIV, ampara vítimas de violência sexual e de gênero em assentamentos de refugiados e fornece aos adolescentes saúde sexual e reprodutiva.

Em Kasese, nossa clínica para adolescentes oferece cuidados de saúde sexual e reprodutiva, incluindo atendimento pré e pós-natal para mães adolescentes, em um ambiente seguro e amigável para os jovens. Atividades de conscientização e recreação encorajam os jovens a comparecer às consultas e à educação em saúde. Em 2020, esses serviços foram transferidos para uma instalação de saúde pública para facilitar o acesso e diminuir o preconceito. A pandemia da COVID-19 e as rigorosas medidas de higiene forçaram a suspensão das atividades recreativas, resultando em uma ligeira redução da frequência. MSF também oferece cuidados a pessoas que vivem com HIV nas comunidades pesqueiras nas proximidades dos lagos George e Edward, um grupo de alto risco de infecção pelo HIV. Em colaboração com as autoridades locais e outros agentes, adaptamos os serviços de HIV às necessidades e hábitos específicos destas comunidades.

Nosso projeto dedicado às pessoas que vivem com HIV em Arua está integrado à infraestrutura local de cuidados do HIV e foca em crianças e adolescentes e pacientes com HIV em estágio avançado ou com carga viral elevada. Durante a pandemia da COVID-19, realizamos consultas com distanciamento físico.

Contudo, a partir de março, perdemos contato com nossos pacientes congoleses transfronteiriços, quando as medidas de isolamento foram implementadas e não pudemos fornecer-lhes medicamentos. Embora a maioria de nossos pacientes transfronteiriços tenha retomado o tratamento em julho, nossos esforços para localizar cerca de 13% deles não tiveram êxito.

Também em Arua, as atividades de conscientização de MSF apoiam vítimas de violência sexual nos assentamentos de refugiados de Omugo e Imvepi, que acolhem centenas de milhares de refugiados, principalmente do Sudão do Sul, que fugiram do conflito em seu país natal. Apoio à saúde mental para refugiados e comunidades anfitriãs também está disponível.

Estamos prontos para responder a emergências, tais como surtos de doenças e deslocamentos causados por desastres naturais ou violência.

Dados referentes a 2020

29.000

Consultas ambulatoriais

1.480

Pessoas em tratamento ARV de segunda linha

7.820

Atendimentos individuais de saúde mental

680

Pessoas receberam atendimento por violência sexual

1.820

Pessoas em tratamento ARV de primeira linha

Filtrar por