No Quênia, prestamos atendimento a refugiados, vítimas de violência sexual e usuários de drogas, respondendo simultaneamente a desafios de saúde pública como o HIV e, em 2020, à pandemia COVID-19.

Apesar das restrições ao acesso de cuidados de saúde impostas pela COVID-19 e das greves dos profissionais de saúde no país, Médicos Sem Fronteiras (MSF) continuou a realizar programas em todo o Quênia. Em Nairóbi, serviços médicos, orientação por telefone às vítimas de violência sexual e de gênero e nossa sala de trauma e serviços de ambulância foram uma tábua de salvação para muitos pacientes, incluindo mulheres em trabalho de parto.

Em março, lançamos nosso programa médico para dependentes de drogas em Kiambu. Nosso centro de visita única oferece atendimento holístico: terapia de substituição de opióides, tratamento para doenças como HIV e tuberculose, apoio à saúde mental e tratamento de feridas.

Na Baía Homa, nossa equipe trabalha para melhorar o atendimento aos pacientes com HIV, focando-se naqueles com HIV avançado, bem como crianças e adolescentes. A redução da mortalidade no hospital de referência do condado por meio de uma melhor identificação, gestão e acompanhamento de pacientes em condições críticas ainda é uma prioridade para MSF.

No condado de Embu, trabalhamos em 11 centros de saúde gerais existentes para descentralizar e integrar o tratamento de doenças não transmissíveis (DNT), como hipertensão, diabetes e epilepsia.

O projeto envolve a orientação de profissionais do Ministério da Saúde no atendimento e gestão de DCNT, além de garantir a continuidade do tratamento aos pacientes.

Nosso projeto em Likoni, condato de Mombasa, oferece cuidados maternos e neonatais. Também assistimos partos e oferecemos cuidados pré e pós-natal. No campo de Dagahaley, que acolhe cerca de 70 mil refugiados, administramos um hospital com 100 leitos e dois postos de saúde. Nossos atendimentos de saúde abrangentes, que também estão disponíveis para a comunidade anfitriã, incluem cuidados de saúde sexual e reprodutiva, cirurgia obstétrica de emergência, assistência médica e psicológica às vítimas de violência sexual e de gênero, aconselhamento psicossocial, tratamento domiciliar com insulina, cuidados paliativos e encaminhamentos a especialistas.

Em resposta à pandemia de COVID-19, administramos uma unidade de isolamento com 40 leitos no campo e treinamos uma equipe que trabalha para as autoridades de saúde do distrito de Garissa e Wajir em medidas de prevenção e controle de infecção, triagem e coleta de swabs para teste.

Dados referentes a 2020

17.800

Pessoas internadas

2.280

Pessoas que vivem com HIV receberam tratamento antirretroviral de 2ª linha em instalações apoiadas por MSF

9.120

Partos assistidos

3.750

Sobreviventes de violência sexual que receberam tratamento

Filtrar por