Você está aqui

Uzbequistão

Escritório de MSF em Nukus, no Uzbequistão. (Foto: Amelia Freelander/MSF)
Uzbequistão
Paises em que MSF atua

A atenção à tuberculose (TB) e ao HIV ainda é o foco de MSF no Uzbequistão, que está entre os 27 países com as mais altas taxas de TB multirresistente a medicamentos.

Programa de tuberculose

Em janeiro, MSF lançou seu ensaio clínico TB PRACTECAL em Nukus, Caracalpaquistão, e inscreveu 55 pacientes até o final de 2017. O estudo tem como objetivo avaliar tratamentos contendo dois novos medicamentos promissores, bedaquilina e pretomanida, combinados com medicamentos existentes e/ou readaptados, num ciclo de tratamento bem mais curto – de apenas 6 meses. Esse tratamento tem o potencial de ser mais eficaz e melhor tolerado, além de não requerer injeções.

Como parte do programa abrangente de atenção à TB no Caracalpaquistão, MSF trabalha com os ministérios de saúde nacionais e regionais para implementar protocolos de cuidados que sejam mais focados no paciente. Em 2017, MSF apoiou o lançamento das novas diretrizes da Organização Mundial da Saúde em cinco dos 16 distritos.

Durante 2017, 2.466 pacientes iniciaram tratamento para TB. Desses, 1.710 foram tratados de TB sensível a medicamentos e 756 de cepas resistentes a medicamentos, incluindo 79 com TB ultrarresistente a medicamentos (TB-XDR). Dos 756 doentes com TB resistente, 130 foram tratados com os medicamentos novos ou readaptados.

Cuidados de HIV

Trabalhando com o Ministério da Saúde no projeto Tashkent HIV, MSF montou uma unidade de “atendimento único” para apoiar a integração de serviços para HIV, TB, hepatite C e oferecer testes e tratamentos mais eficazes para pacientes co-infectados. Em 2017, MSF e o Centro Republicano de Aids chegaram a um acordo de que MSF testaria e trataria grupos de alto risco, por exemplo: pessoas que usam drogas injetáveis e profissionais do sexo.

Em 2017, 153 pacientes iniciaram o tratamento para hepatite C e 14 pessoas foram iniciados no tratamento antirretroviral (ARV) de terceira linha para o HIV, depois que seus tratamentos iniciais e subsequentes perderam a eficácia. Quase 880 pacientes iniciaram o tratamento ARV de primeira linha em 2017.

HISTÓRIA DO PACIENTE

Arzubay, 24 anos, completou um tratamento de curta duração para a TB-MDR em setembro de 2014 e já não apresenta sinais ou sintomas da doença. Mas ele ainda se lembra quando recebeu seu diagnóstico.

"Eu não queria acreditar. Eu queria ignorar o que a chapa de raio-X mostrava, dizendo que talvez eu tivesse ingerido ar nos pulmões durante o raio X. Enviei duas vezes expectoração (fluido dos pulmões) para análise laboratorial. Quando os médicos confirmaram o diagnóstico de TB, não havia como negar o diagnóstico. A equipe médica me apresentou o tratamento simplificado de curta duração e disse que eu atendia aos critérios. Iniciei meu tratamento em setembro de 2013. Fiquei muito feliz em receber este tratamento, porque sabia de algumas pessoas que estavam sofrendo com tratamento de dois anos com efeitos colaterais e que, para outras, já não havia opções de tratamento. Além disso, nove meses não foram tão longos e não me impediram de ajudar minha família com as tarefas diárias. Eu não tive que escolher entre apoiar minha família e me curar.”

MSF atua no país desde 1997.


Dados de 2017:

Consultas individuais de saúde mental
Pacientes que começaram o tratamento para TB
Pacientes que começaram o tratamento para TB resistente a medicamentos
7.300
2.500
760