Você está aqui

Níger

Unidade pediátrica do hospital distrital de Magaria é coberta por mosquiteiros quando chega a noite. (Foto: MSF/Sarah Pierre)
Níger
Paises em que MSF atua

No Níger, MSF se concentrou continuamente na redução da mortalidade infantil, especialmente durante os picos de desnutrição e época de maior incidência de malária, cuidou dos refugiados e deslocados em Diffa, enquanto também respondeu a epidemias, como a hepatite E.

Reações a epidemias

Quando a epidemia de hepatite E foi declarada na região de Diffa em abril de 2017, MSF respondeu lançando uma série de atividades para combater a doença. Trabalhando em 224 locais, equipes se incumbiram de clorar a água e de distribuir galões limpos, bem como kits de higiene pessoal e comunitária, que incluía sabão, luvas e utensílios. Mais de 200 mil pessoas participaram de sessões de conscientização sobre a prevenção da doença e a identificação de seus sintomas. MSF também apoiou o tratamento da hepatite E em hospitais e centros de saúde, além de montar uma unidade de terapia intensiva no centro de saúde atendimento materno-infantil em Diffa para tratar gestantes, sofrendo de complicações decorrentes da doença. Um total de 350 mulheres foram internadas na unidade.

Níger também foi atingida por outro surto de meningite C em 2017. Entre março e junho, equipes de MSF trabalharam com o Ministério da Saúde para vacinar cerca de 464 mil pessoas nas regiões mais afetadas: Niamey, Tillabéri, Dosso, Tahoua e Maradi.

Região de Diffa

Os habitantes da região de Diffa, na fronteira com a Nigéria, continuam sofrendo as consequências dos violentos confrontos entre grupos armados de oposição na Nigéria e as diferentes forças militares na região. MSF trabalha com o Ministério da Saúde para oferecer ajuda  humanitária, cuidados de saúde primária e secundária, serviços de saúde reprodutiva e consultas de saúde mental para a comunidade local e pessoas deslocadas, além de responder a emergências.

Em 2017, as equipes trabalharam no principal hospital regional materno-infantil na cidade de Diffa, nos hospitais distritais da cidade de Nguigmi e Mainé-Soroa, bem como em vários centros de saúde e postos de saúde nos distritos de Diffa, Nguigmi e Bosso. Desde junho, equipes de MSF operam clínicas móveis em áreas de difícil acesso da região para tratar pessoas deslocadas afetadas pela violência, bem como comunidades nômades.

MSF iniciou apoio ao distrito de Mainé-Soroa em 2017, oferecendo cuidados de saúde primária e secundária para populações transfronteiriças e móveis que vivem entre o Níger e a Área do Governo Local de Yunusari no estado de Yobe, na Nigéria. Equipes conduziram clínicas móveis e apoiaram o encaminhamento de casos de cirurgia, pediatria e clínica médica para o hospital Mainé-Soroa.

As equipes também criaram “espaços de escuta” nos vilarejos de Assaga e Chetimari para oferecer aconselhamento e ajuda  médica às mulheres acerca de questões de saúde sexual e reprodutiva.

MSF está desenvolvendo atividades de saúde comunitária e de promoção de saúde na região, objetivando combater a malária, diarreia, infecções respiratórias, além de triagem de desnutrição.

Devido ao alto nível de violência e traumas que as pessoas da região enfrentaram, MSF ofereceu apoio psicossocial para as populações residentes e deslocadas, realizando 15.742 consultas individuais e 2.534 sessões em grupo.

Em 2017, equipes de MSF na região realizaram mais de 300 mil consultas médicas e assistiram mais de 5.300 partos.

Região de Zinder

Desde 2005, MSF vem atuando em Magaria, e em 2017 focou-se no aumento da capacidade da unidade pediátrica no hospital do distrito de Magaria, oferecendo pessoal e treinamento. Entre junho e dezembro, ocasião em que o número de internações por desnutrição e malária aumentou, a unidade pediátrica atingiu o pico de sua capacidade de 600 leitos. Em 2017, cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos de idaade foram atendidas na unidade pediátrica do hospital de Magaria.

Além disso, a equipe de MSF trabalhou em seis centros de saúde e um posto de saúde para apoiar a atenção de saúde primária de crianças e encaminhamentos hospitalares para os casos mais graves. Salas de observação foram instaladas nos movimentados centros de saúde de Dantchiao e Magaria, onde os pacientes eram estabilizados antes de serem transferidos, se necessário, para a unidade pediátrica em Magaria.

Nas proximidades do distrito de Dungass, MSF abriu uma unidade pediátrica com 200 leitos durante a alta temporada de desnutrição e época de incidência de malária, pelo segundo ano consecutivo. A equipe de MSF também trabalhou em cinco centros de saúde e dois postos de saúde na periferia.

Em março, após 12 anos apoiando a unidade de internação pediátrica no hospital nacional e um centro de nutrição terapêutica na cidade de Zinder, MSF entregou essas atividades às autoridades locais e à Cruz Vermelha francesa.

Região de Maradi

MSF mantém seu programa pediátrico no distrito de Madarounfa com foco no gerenciamento das principais causas da mortalidade infantil, especialmente por desnutrição ou malária. Mães também atravessam a fronteira, vindo da Nigéria, em busca de tratamento para seus filhos.

O programa inaugurado em 2001 consiste atualmente em internações no hospital distrital por desnutrição grave, malária e outras doenças que afetam crianças com menos de  5 anos de idade, e tratamento ambulatorial para desnutrição grave sem complicações em cinco zonas de saúde de Madarounfa.

Os agentes comunitários de saúde apoiados por MSF estão ativos em mais de 40 vilarejos durante o período de pico da malária, a fim de garantir a detecção precoce e o tratamento da malária simples, além de triagem de desnutrição. MSF ampliou suas atividades de promoção de saúde e de atendimento médico na comunidade, reduzindo em 25% as internações por complicações graves de malária nas unidades que apoia. Em 2017, 14.486 crianças no distrito de Madarounfa receberam atendimento ambulatorial para desnutrição grave.

Região de Tahoua

As equipes de MSF trabalham no hospital distrital de Madaoua, mantendo o centro de nutrição terapêutica, além de enfermarias pediátricas e neonatais. O hospital tem capacidade para 400 leitos quando há picos nos casos de desnutrição e malária. Em 2017, mais de 14.500 crianças com menos de 5 anos de idade foram atendidas no hospital de Madaoua. MSF também apoiou a maternidade do hospital para reduzir a mortalidade neonatal e auxiliou em emergências obstétricas. Além disso, a equipe de MSF iniciou atividades em uma nova maternidade no centro de saúde de Sabon-Guida. Em 2017, mais de 3.700 partos foram assistidos nessas duas instalações médicas.

As equipes continuaram a implementar o programa de cuidados preventivos e curativos, que monitora a totalidade das crianças com menos de  2 anos de idade, na zona de saúde de Tama, distrito de Bouza. Em 2017, mais de 254.200 crianças na região foram vacinadas contra o sarampo.

MSF atua no país desde 1985.

 

Dados de 2017:

Vacinação contra meningite em resposta a surtos
Pacientes de malária tratados
Internações
596.800
112.300
73.300

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar