Você está aqui

Burkina Faso: assistência inadequada e insuficiente a mais de 46 mil refugiados do Mali

24/04/2012
Burkina Faso: assistência inadequada e insuficiente a mais de 46 mil refugiados do Mali

Desde janeiro deste ano, 46 mil malineses procuraram refúgio em Burkina Faso. Desse total, cerca de 35 mil foram para a província de Oudalan, na região norte do país. Nesta região desértica, onde o acesso é extremamente limitado, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está oferecendo assistência médica emergencial nos acampamentos de refugiados, onde as demandas são maiores que os recursos.

Burkina Faso é o segundo país com maior número de refugiados malineses, atrás apenas da Mauritânia. Os conflitos entre os rebeldes tuaregues e o exército do Mali no norte do país levaram quase 268 mil pessoas a fugir para o interior ou para países vizinhos. Mas em Burkina Faso, a oferta de assistência é muito difícil, ainda mais com a quantidade de refugiados que continua chegando todos os dias.  

Os refugiados se estabeleceram em quatro acampamentos no norte do distrito de Deou, na província de Oudalan, e há semanas estão vivendo em condições extremamente precárias, em abrigos improvisados. Eles só têm alguns alimentos, e precisam esperar por muito tempo, debaixo do sol escaldante, para receber alguns litros de água. “Nós deixamos tudo para trás e saímos do nosso país”, disse Fatima, uma refugiada do acampamento de Ferrerio. “Eu estou com meus filhos, nós não temos nada. Estamos morando a céu aberto aqui.”

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) planeja colocar os refugiados em um novo local, que é inadequado, pois não conta com pontos de água ou áreas de sombra. Quase três meses após o início dos conflitos, e apesar do grande número de pessoas cruzando a fronteira, a ajuda alimentar ainda é limitada. “O Programa Mundial de Alimentos não foi rápido o bastante para responder à crise, e a assistência oferecida não é suficiente nem adequada, considerando os hábitos alimentares dos refugiados”, disse Jean Hereu, coordenador de projeto de MSF em Burkina Faso.

Após realizar distribuições de alimentos e água em Mentao, na província de Soum, no primeiro acampamento formalizado no início de fevereiro, MSF começou a trabalhar na província de Oudalan no início de março. As equipes da organização estão dando apoio ao posto de saúde de Gandafaou e enviando clínicas móveis ao acampamento de Ferrerio. Os profissionais já realizaram mais de 1,6 mil consultas médicas em apenas quatro semanas, nas quais trataram infecções respiratórias, dermatoses e problemas gástricos, típicos de situações de falta de higiene e pouco acesso à água.

MSF oferece cuidados médicos gratuitos aos refugiados e à população local, que estão ameaçados também pela seca que afeta toda a região. “A hospitalidade de Burkina Faso está sendo testada”, disse Hereu. “A região onde os refugiados se estabeleceram está sofrendo muito com a falta de chuvas, que afetou a colheita de cereais e teve um efeito direto na segurança alimentar das famílias.”

MSF também vai operar nos acampamentos de Dibissi e de Ngatourou-nienie, e está avaliando a situação regularmente para adequar sua resposta às necessidades da população.

MSF também está oferecendo assistência aos refugiados malineses na Mauritânia e no Níger. A organização está trabalhando no norte do Mali (Timbuktu, Gao, Kidal e Mopti), onde as equipes oferecem cuidados médicos primários para as populações deslocadas pelo conflito.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar