Você está aqui

Uganda: Médicos Sem Fronteiras combate epidemia de Ebola em Bundibugyo e Kikyo

10/12/2007
Equipes registraram 93 casos da doença nas duas regiões. Deste total, 22 pessoas morreram

No dia 29 de novembro, o Ministério da Saúde de Uganda confirmou um caso da febre hemorrágica Ebola na região oeste do país. Após a realização de um rápido levantamento, MSF instalou unidades de isolamento no centro de saúde de Kikyo e no Hospital Bundibugyo, no dia 1º de dezembro.

Atualmente, dois surtos de Ebola foram identificados em Kikyo e Bundibugyo,
Uganda. A extensão dessa epidemia ainda não é conhecida.

Desde do dia 6 de dezembro, 93 casos da doença foram registrados no Hospital de Bundibugyo e no centro de saúde de Kikyo. Deste total, 22 pessoas morreram, incluindo quatro funcionários do centro de saúde. O vírus foi confirmado em nove casos através de testes de laboratório.

Não existe ainda tratamento para essa doença altamente contagiosa. As linhagens virais provocam a morte em entre 50% a 90% dos casos. Casos suspeitos devem ser isolados e trabalhadores de saúde devem implementar uma barreira restrita de técnicas de tratamento.

No dia 1º de dezembro, uma equipe de MSF composta por 12 especialistas em febre hemorrágica montou duas unidades de isolamento na área. No dia 5 de dezembro, 25 pacientes foram tratados na unidade do Hospital Bundibugyo. Do dia 1º ao dia 5, nove pacientes foram internados e o número de casos hospitalizados está aumentando. Quinze pacientes foram hospitalizados na unidade de isolamento de Kikyo na mesma data.

MSF está organizando campanhas de conscientização e informação da população nas áreas afetadas para reduzir os riscos de contaminação, particularmente durante funerais de pacientes.

Funcionários médicos e não-médicos adicionais vão chegar para dar apoio à equipe de MSF nos próximos dias. A equipe poderá estender as atividades às pessoas que tiveram contato com pacientes e também monitorar casos suspeitos nas cidades vizinhas.

MSF está trabalhando bem próximo ao Ministério da Saúde de Uganda e à Organização Mundial de Saúde. A organização também participou do programa de contenção da epidemia de Ebola em 2000 em Gulu, Uganda.