Você está aqui

Resgate no Mar Egeu: nova operação de MSF e Greenpeace

04/12/2015
MSF pede a abertura de canais seguros e legais na fronteira terrestre entre a Turquia e a Grécia

Foto: Borja Ruiz Rodriguez/MSF

Uma operação conjunta para resgatar as pessoas que arriscam suas vidas na perigosa travessia pelo mar entre a Turquia e a Grécia foi lançada pela organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) em parceria com a organização ambiental Greenpeace.

Equipes de MSF e do Greenpeace estão usando três botes infláveis resistentes de alta velocidade, baseados na costa norte de Lesbos, na Grécia, em apoio e coordenação com a Guarda Costeira grega. As equipes médicas de MSF também estão de prontidão em outros portos para oferecer cuidados emergenciais às pessoas em estado grave e para garantir encaminhamentos a tempo ao hospital por meio de três ambulâncias da organização, somando-se aos esforços de grupos de voluntários que já prestam assistência às pessoas que cruzam as ilhas gregas.

Desde o dia 28 de novembro, equipes de MSF e do Greenpeace prestaram assistência a centenas de pessoas; dezenas delas estavam em barcos em perigo evidente. Em terra, equipes médicas de MSF trataram problemas de saúde graves de 20 pessoas recém-chegadas; nove delas foram levadas ao hospital para receber cuidados especializados.

Nos próximos dias, MSF planeja lançar mais três botes para expandir ainda mais a capacidade de resgate em outras ilhas. As equipes ajudarão pessoas em barcos em perigo e prestarão assistência médica em terra.

“Horrorizados com a crise dos refugiados inabalável no Mar Mediterrâneo, fomos obrigados a agir da maneira que podíamos”, diz Alexandra Messare, diretora do programa do Greenpeace na Grécia. “Fugir de conflitos, da pobreza e de abusos de direitos humanos em seus países de origem, na esperança de uma vida melhor, não é crime. Acreditamos que aqueles com a capacidade de ajudar devem fazer tudo o que podem. Nós trouxemos a nossa experiência marítima para esta colaboração com MSF, na esperança de salvar vidas.”

Apesar de condições climáticas que se deterioram na medida em que o inverno se aproxima, mais de 140 mil pessoas fizeram a travessia da Turquia para as ilhas gregas somente em novembro, com 65% delas desembarcando em Lesbos, de acordo com dados do Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Desde setembro, 330 pessoas, a maioria criança, perderam suas vidas no Mar Egeu enquanto tentavam obter abrigo seguro na Europa.

Equipes de MSF e do Greenpeace se aproximam do porto Molyvos após o resgate de 13 pessoas na costa de Lesbos, na Grécia (Foto: Borja Ruiz Rodriguez/MSF)Equipes médicas de MSF em Lesbos realizaram 10.169 consultas desde julho; 6.154 delas nos últimos dois meses. Desde outubro, as equipes têm observado um número crescente de pessoas sofrendo de infecções do trato respiratório e hipotermia, ligados às condições de mar agitadas e ao tempo frio.

MSF vê seus esforços no Mar Egeu como uma solução temporária, e ressalta que rotas seguras devem ser encontradas para as pessoas que viajam em direção à Europa.

“Nossas atividades no Mar Egeu são uma solução temporária para mitigar o sofrimento e a perda de vidas que temos testemunhado nos últimos meses”, diz Marietta Provopolou, diretora-geral de MSF na Grécia. “Na medida em que as condições climáticas pioram e o mar se torna ainda mais perigoso, sabemos que haverá mais tragédias.”
Segundo Stefano Argenziano, coordenador de operações de MSF, a Europa deve parar de fugir às suas responsabilidades e oferecer chegadas seguras e legais às pessoas em busca de segurança. “É inaceitável que a principal maneira de ter acesso à proteção internacional na Europa envolva arriscar a vida de alguém no mar – especialmente quando a permissão do acesso à União Europeia por meio da fronteira terrestre com a Turquia poderia prevenir mortes. A UE e seus Estados-membros devem assegurar uma recepção digna e segura para imigrantes e refugiados na fronteira terrestre entre a Turquia e a Grécia”, diz ele.

MSF está prestando assistência médica e psicológica às pessoas que chegam às ilhas de Lesbos e Samos, e às ilhas do Dodecaneso. Em Lesbos, MSF está oferecendo transporte para os recém-chegados da costa norte até o centro de registro. Nós estruturamos e oferecemos assistência no centro de trânsito de Matamados, e oferecemos cuidados médicos nos centros de recepção de Kara Tepe e Moria. Em Samos, equipes de MSF fazem uma triagem médica e cuidam dos recém-chegados, além de fornecer transporte, alimentação e itens de primeira necessidade no porto de Vathi e no centro de recepção. Nas ilhas do Dodecaneso, MSF mantém clínicas móveis e oferece primeiros socorros psicológicos às vítimas de naufrágios. Desde o início de suas operações nas ilhas gregas, as equipes de MSF realizaram mais de 22.100 consultas médicas.
 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar