Você está aqui

Profissional de MSF, Arjan Erkel, há um ano desaparecido

12/08/2003
Após um ano do seqüestro de Arjan Erkel, coordenador geral de MSF no norte do Cáucaso, MSF considera falha a investigação e apela às autoridades russas para que tomem ações mais enérgicas para solucionar o caso.

No dia 12 de agosto completa um ano desde que Arjan Erkel, um profissional de ajuda humanitária de MSF, foi seqüestrado em Makhatchkala, capital do Daguestão, uma república da Federação Russa. MSF expressa sua indignação sobre a falta de resultados no caso Arjan.

“É um escândalo que, após um ano, nosso colega Arjan Erkel continue desaparecido. Isto só pode ser atribuído à falha de investigação e à falta de comprometimento das autoridades russas. A presença de dois agentes da inteligência na cena do seqüestro, e o fato deles estarem lá enquanto Arjan era seqüestrado deveria aumentar a motivação deles em resolver este caso. No entanto, a investigação foi suspensa em novembro de 2002 e apenas foi reaberta em maio de 2003. Nós não fomos informados disso, ao contrário, as autoridades nos garantiam que eles estavam fazendo todo o possível para libertar Arjan,” disse Dr. Morten Rostrup, Presidente do Conselho Internacional de MSF.

Durante o Encontro em St. Petesburg entre Rússia e União Européia em maio de 2003, Presidente Putin fez declarações públicas garantindo ao Primeiro Ministro Holandês o envolvimento dos serviços russos para resolver o caso – mas nenhum resultado foi obtido até agora. MSF acredita que as autoridades russas devem ser novamente lembradas da responsabilidade legal de corrigir a situação.

MSF também está desapontada pela atitude reservada do governo Holandês em relação às autoridades políticas da Rússia, no que diz respeito a este episódio. De modo geral, faltou intensidade no apoio oferecido pela comunidade internacional, em particular dos principais governos do ocidente.

Rostrup disse: “é difícil entender porque os governos foram tão relutantes no último ano em pressionar as autoridades russas a assumir a responsabilidade pela falta de comprometimento em solucionar este caso.”

Para MSF, Arjan Erkel é um símbolo do ‘risco humanitário’ no norte do Cáucaso. Toda a comunidade humanitária internacional se tornou refém do clima de violência e insegurança que prevalece na região.

MSF pede hoje às autoridades russas e à comunidade internacional que multipliquem os esforços no sentido de trazer de volta Arjan para sua família, amigos e colegas.

Leia mais sobre