Você está aqui

MSF reitera apelo para que migrantes sejam transferidos dos campos nas ilhas gregas

08/10/2020
Acampamento recém-construído após incêndio em Moria já conta com 7.500 pessoas vivendo em condições desumanas
MSF reitera apelo para que migrantes sejam transferidos dos campos nas ilhas gregas

Foto: Enri CANAJ/Magnum

Um mês após os incêndios que destruíram o campo de refugiados de Moria, e apesar das promessas públicas dos comissários da União Europeia (EU) de que “não haveria mais Morias”, mais de 7.500 pessoas ainda estão presas em condições desumanas em um acampamento recém-construído em Lesbos. Outros milhares, incluindo 7 mil crianças, continuam a viver em outros campos indignos e inseguros nas ilhas do mar Egeu.

Mais de meio milhão de pessoas assinaram petições que apelam aos líderes europeus para que evacuem as pessoas presas nas ilhas gregas e ponham fim às políticas de contenção que têm causado esse ciclo de sofrimento e abusos. O novo Pacto de Migração da Comissão Europeia, apresentado há duas semanas e em discussão no Conselho de Justiça e Assuntos Internos, não responde a essas exigências e, em vez disso, reafirma o compromisso dos governos e das instituições europeias com as mesmas políticas que precipitaram os incêndios.

O novo acampamento em Lesbos é uma reminiscência da miséria que caracterizou o acampamento de Moria: homens, mulheres e crianças estão dormindo em barracas, em esteiras, não há água corrente e a comida é distribuída apenas uma vez por dia. Os pais lavam a si próprios e a seus filhos no mar, não há chuveiros disponíveis e há apenas um número limitado de banheiros químicos. O acampamento foi construído às pressas em um antigo campo de tiro próximo ao mar e está exposto a todos os elementos: o inverno está se aproximando e o acampamento não irá suportar a chuva e as tempestades que se aproximam. Tudo isso está ocorrendo no contexto de um surto de COVID-19, mas é impossível para os moradores do novo acampamento tomarem medidas preventivas, como o distanciamento social.

Enquanto isso, as pessoas que vivem em outros locais mantidos pela UE em Samos, Chios, Kos e Leros estão igualmente presas em condições desumanas e superlotadas. Em Kos, os recém-chegados foram detidos automaticamente desde janeiro. Em Samos, 4.314 pessoas vivem dentro e ao redor de um local construído para 648. Há mais de 90 casos positivos de COVID-19, mas ainda não há um plano de resposta médica adequado.

Nada parece indicar que o modelo de contenção que gerou essas emergências cíclicas nos últimos cinco anos tenha sido questionado. Em vez disso, o Pacto de Migração parece consolidar as mesmas políticas que causaram anos de sofrimento humano nas ilhas. Ele espelha a abordagem fracassada do ponto de acesso da UE nas ilhas do mar Egeu, expande os procedimentos de fronteira obrigatórios e é abertamente voltado para a dissuasão e o retorno, em vez da recepção e proteção das pessoas.

Já é suficiente. Reiteramos o nosso apelo para descongestionar as ilhas com urgência e levar as pessoas a acomodações seguras e dignas, com enfoque na relocalização em toda a Europa. Instamos os líderes da UE a pararem imediatamente com a contenção de pessoas nas ilhas gregas e a abandonarem as propostas para consolidar as fronteiras em toda a Europa. Não mais significa não mais.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar