Você está aqui

Libéria: nova onda de ataques atinge o país. Profissional de MSF é morto

21/07/2003
Libéria: nova onda de ataques atinge o país. Profissional de MSF é morto

Dois hospitais provisórios administrados por Médicos Sem Fronteiras (MSF) na capital da Libéria estão tratando mais de 80 civis gravemente feridos na terceira série de conflitos entre as milícias governamentais e as forças rebeldes do grupo Liberianos Unidos para a Reconciliação e Democracia, Lurd, na cidade, em menos de dois meses. Na noite de sábado, um tiro de morteiro atingiu a casa de um profissional liberiano de MSF logo após ele ter retornado do trabalho. Ele morreu antes de chegar no centro de emergência de MSF em Mamba Point.

“Tiros e bombardeios próximos ao nosso hospital tornam quase impossível para nós tratarmos os pacientes com segurança,” disse Alain Kassa, coordenador geral de MSF em Monróvia. “Ontem, uma bala perdida atingiu a ala pediátrica do hospital enquanto chegavam civis feridos de guerra. Hoje, tememos que os conflitos nas ruas sejam tão intensos que os feridos não possam ser transportados para receber tratamento no hospital.”

Na sexta-feira, conflitos forçaram MSF a suspender os trabalhos em três clínicas médicas usadas para tratar dezenas de milhares de pessoas deslocadas no município de Montserrado ao norte de Monróvia. Com a intensificação da hostilidade na área, milhares de residentes desses acampamentos começaram a correr em direção a Monróvia, onde eles esperavam que estivesse mais seguro. No sábado à noite, muitos deles se juntaram aos cerca de 20.000 deslocados que já estão abrigados no estádio Samuel K. Doe em Monróvia, onde MSF continua administrando uma clínica médica, um centro de tratamento de cólera e oferecendo água potável.

No sábado, MSF levou 50 pacientes graves de cólera de dois centros de tratamento da doença de MSF próximos ao conflito para postos de emergência organizados na sede de MSF em Mamba Point. Cem profissionais de MSF também buscaram refúgio nesta sede de MSF em Mamba Point.

“Nós apelamos a todas as partes em conflito para que protejam os civis capturados nos conflitos, permitam a eles o acesso seguro ao tratamento médico e respeitem o direito e a urgência das estruturas de saúde e dos profissionais para que eles possam realizar o trabalho de forma segura,” declarou o coordenador geral de MSF em Monróvia.

Presente na Libéria desde 1990, MSF administra dois hospitais com alas para consultas e internações, cirurgias e apoio nutricional em Monróvia, assim como 8 clínicas médicas, 4 centros de tratamento de cólera e pontos de distribuição de água potável para pessoas deslocadas na cidade. MSF também administra clínicas em 6 acampamentos para pessoas deslocadas nos municípios de Montserrado e Bong.

Leia mais sobre