Você está aqui

Primeiro fim-de-semana na República Centro-Africana

A recompensa das paisagens e da riqueza cultural do país após um dia de muito trabalho
13/09/2015

Este sábado comecei o dia visitando o setor de laboratório do hospital para ver quais reformas serão necessárias. Vimos também algumas pequenas alterações que podemos fazer no setor de farmácia para baixar a temperatura do estoque, já que aqui faz muito calor e a instalação de um sistema de ar-condicionado não é tão simples assim.

Como a ideia é a de fazermos um prédio completamente novo para a farmácia do hospital, pedi apenas para o pessoal aumentar o tamanho das janelas existentes e construir uma nova na parede oposta para tentarmos fazer com que o vento entre por um lado e saia pelo outro, o que chamamos de ventilação cruzada.

Depois de passar o resto da manhã quebrando a cabeça para tentar encaixar as necessidades do laboratório no espaço existente, fui visitar um carpinteiro da cidade. Ele é um dos poucos daqui que possui maquinário e uma equipe de carpinteiros que trabalha com ele. Ele tem poucos equipamentos, e muitos nem estão em uso, já que, conforme me disse, não tem muito trabalho. Tudo bem simples, mas ao menos pude ver a organização do espaço de trabalho e, para mim, isso diz muito sobre um profissional.

No domingo, pude finalmente descansar. A ideia original era dormir até tarde, mas meu organismo já se acostumou com a rotina de trabalho e seis da manhã eu estava de pé. Decidimos, então, fazer um passeio até o rio Mbomou que faz a divisa da República Democrática do Congo com a RCA. O rio é lindo. Se eu pudesse ficava lá durante horas só observando a correnteza. No ponto onde paramos é possível encontrar pequenas canoas que fazem a travessia entre os dois países. Uma imagem linda com o céu azul, a vegetação densa bem verde e essas pequenas canoas com seis ou sete pessoas vestindo suas roupas super coloridas. Para completar, como trilha musical, os cânticos das igrejas da redondeza. Uma música tipicamente africana, repleta de tambores e instrumentos que não sei reconhecer. Uma experiência incrível.

À tarde, um bom banho de caneca para repor as energias para a semana que recomeça.

Bjs,
Vivi