Você está aqui

Iraque: atividades de MSF no país

23/12/2016
Em 2016, equipes de MSF ofereceram quase 175 mil consultas à população, além de terem conduzido atividades de saúde mental e promoção de saúde
Iraque: atividades de MSF no país

Foto: Brigitte Breuillac/MSF

A situação humanitária do Iraque continua a se deteriorar, à medida que mais pessoas são deslocadas de suas casas pela violência e enfrentam o terceiro inverno em condições extremas.

Atualmente, mais de 3 milhões de iraquianos se encontram internamente deslocados pelo conflito, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Muitos vivem em acampamentos de deslocados, e muitos outros estão vivendo em escolas, mesquitas, igrejas e prédios em construção. Além da falta de acesso a cuidados de saúde, as populações deslocadas também sofrem com as marcas emocionais e psicológicas da guerra, e muitas pessoas ainda temem por sua segurança. Enquanto isso, mais pessoas são forçadas a fugirem de suas casas como resultado da intensificação de confrontos nas regiões de Mossul e Hawija.

Desde junho de 2014, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) vem incrementando a sua resposta à crise de deslocamento com equipes médicas móveis, apoio a centros de saúde locais e a abertura de hospitais de campo. A abordagem flexível adotada por MSF permitiu que a organização organizasse equipes médicas móveis de acordo com as necessidades da população, com foco nos que não conseguem ter acesso a cuidados médicos devido à restrição de movimento ou à falta de recursos financeiros para viajar ou pagar pelos serviços recebidos.

MSF NO IRAQUE EM NÚMEROS – De janeiro a novembro de 2016

- Número total de consultas: 174.931
- Número de consultas de saúde mental: 21.686
- Número de consultas de saúde sexual e reprodutiva: 28.782
- Número de partos assistidos: 1.081
- Número de profissionais nacionais: 888
- Número de profissionais internacionais: 116

A batalha de Mossul
Conforme a batalha de Mossul se intensifica, o número de pessoas forçadas a saírem de casa aumenta. Estima-se que na primeira semana de dezembro 85 mil pessoas que vivem nas cidades e em regiões próximas foram deslocadas.
Em outubro, MSF abriu um hospital cirúrgico de campo 30 quilômetros ao norte de Mossul, oferecendo cirurgias essenciais para pacientes gravemente feridos que não conseguiam chegar aos hospitais permanentes mais próximos. A maioria dos pacientes admitidos tinha ferimentos por bala ou estilhaços. Recentemente, a equipe de MSF também estabeleceu um ponto de estabilização próximo à linha de combate ao norte de Mossul, para pacientes em condições críticas, de modo que eles possam ser transferidos para algum hospital.  

Em Qayyarah, ao sul de Mossul, MSF abriu, no início de dezembro, uma sala de emergência e uma ala de internação em um centro de saúde primária. Profissionais de MSF ofereceram cuidados de emergência médica e cirúrgica. Na primeira semana, a equipe recebeu 250 pacientes.

A fim de incrementar sua ação de resposta na região, MSF planeja abrir mais postos de estabilização próximo à linha de frente. No mês passado, equipes de clínica móvel de Erbil que ofereciam consultas gerais e serviços de saúde mental ampliaram alcance para atender as pessoas que foram recentemente deslocadas de Mossul e vivem, agora, nos campos de deslocados internos de Khazer e Hasansham.
Norte do Iraque

Nas áreas próximas à linha de frente na província de Nínive, equipes móveis de MSF estão oferecendo cuidados gerais de saúde, tratamento para doenças crônicas e serviços de saúde mental a pessoas deslocadas, retornados e comunidades locais pobres. Outras equipes de MSF estão oferecendo serviços semelhantes em diversos locais da região do Curdistão e próximo a Kirkuk.

Em Kirkuk, MSF está respondendo ao grande fluxo de pessoas deslocadas e pacientes feridos nos confrontos em Hawika, onde ocorre uma ofensiva militar. As equipes estão apoiando dois hospitais e oferecendo cuidados primários de saúde em campos de deslocados internos e próximo à linha de frente entre Kirkuk e Hawija, em postos de passagem usados pelas pessoas que fogem de Hawija para Kirkuk.

MSF também abriu, recentemente, uma maternidade no vilarejo de Tal Maraq, em Nínive, com o objetivo de oferecer partos seguros. Um número significativo de mulheres dessa região tem seus filhos em casa, sem qualquer ajuda ou assistência de profissionais qualificados. A maternidade oferece cuidados básicos de emergência obstétrica e neonatal, administra complicações obstétricas menores e encaminha pacientes com complicações mais sérias a hospitais em Zakho.

Em Sulaymaniyah, MSF trabalha com as autoridades de saúde no hospital de emergência da cidade e oferece treinamento prático aos profissionais para melhorar a qualidade dos serviços de saúde na unidade de terapia intensiva e na ala de emergência e trauma.

Iraque central
Com operações militares se expandindo no noroeste do Iraque, milhares de iraquianos continuam fugindo para regiões relativamente mais seguras, incluindo a província de Salaheddine, no centro do país. Para responder às necessidades crescentes da população, MSF começou a operar clínicas móveis na cidade de Tirkit e em regiões próximas em junho. As clínicas oferecem consultas ambulatoriais e de saúde mental.

Na província de Diyala, MSF, em colaboração com o Diretório de Saúde, oferece tratamento para doenças crônicas e consultas de saúde sexual e reprodutiva para pessoas deslocadas nos campos de Khanaqin e nas cidades recentemente retomadas de Jalawla e Sadyia. Equipes de MSF também oferecem serviços de saúde mental e mantêm atividades regulares de promoção de saúde.

Na província de Anbar, MSF opera um centro de saúde secundária de 20 leitos em um campo de deslocados internos. Atualmente, o acampamento tem uma população de cerca de 60 mil pessoas e o hospital oferece serviços de emergência, estabilização e transferência como parte de um programa de curta duração que eventualmente incorpora componentes de saúde mental.

Bagdá
O projeto de MSF em Abu Ghraib oferece serviços médicos e de saúde mental a pessoas deslocadas provenientes do centro do país, principalmente de Anbar, Salaheddine e Diyala. Uma equipe médica móvel opera em bairros empobrecidos no distrito de Abu Ghraib, onde muitas pessoas deslocadas se estabeleceram nos últimos dois anos. Uma segunda equipe médica está baseada em uma clínica de cuidados primários de saúde na região de Al Shuhada II.

Em Bzeibiz, que liga a capital à província de Anbar, MSF administra um centro de cuidados primários de saúde desde janeiro de 2016. O centro conta com uma sala de emergência aberta 24 horas por dia e com uma clínica diurna.

Sul do Iraque
Em novembro, mais de 20 milhões de peregrinos viajaram até a província de Karbala para a peregrinação de Arba’een. MSF aproveitou a oportunidade para conduzir uma campanha contra a sarna, já que as pessoas estavam passando muito tempo em grande proximidade durante o evento.

Atualmente, negociações estão em curso com autoridades de saúde para que MSF apoie um hospital pediátrico de 70 leitos em Musayib, na província de Babil, a partir de janeiro de 2017.

Apoiando refugiados sírios no Iraque
No campo de refugiados de Domiz, MSF mantém uma maternidade, onde as mulheres também têm acesso a cuidados de saúde reprodutiva. Psicólogos e psiquiatras de MSF asseguram que serviços de saúde mental sejam oferecidos a refugiados sírios que vivem nos campos de Kawargosk, Gawilan e Darshakran.

Cirurgia reconstrutitva na Jordânia
Desde agosto de 2006, uma rede de médicos iraquianos vem transferindo vítimas da violência em todo o Iraque para o hospital de cirurgia reconstrutiva de MSF em Amã, na Jordânia. A equipe cirúrgica é especializada em operações complexas que requerem diversos estágios de tratamento, em particular cirurgias maxilofaciais (cabeça, pescoço, mandíbula e seios nasais), cirurgias ortopédicas e cirurgias para pacientes com queimaduras graves. Os pacientes também têm acesso a fisioterapia e apoio psicossocial.
 

Leia mais sobre