Você está aqui

Israel e Palestina: desigualdade cruel na distribuição de vacinas

24/02/2021
Por Matthias Kennes, enfermeiro registrado e médico referente da resposta de MSF à COVID-19 em Hebron, Cisjordânia
Israel e Palestina: desigualdade cruel na distribuição de vacinas

Foto: Juan Carlos Tomasi/MSF

Aviso importante: o conteúdo e as opiniões expressas nestes artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente o posicionamento oficial de Médicos Sem Fronteiras.

22 de fevereiro de 2021 - Como profissional de saúde, estou chocado. O sucesso da vacinação de Israel contra a COVID-19, aclamado internacionalmente, tem um lado oculto, cujas consequências são cruelmente sentidas no território palestino da Cisjordânia, onde trabalho, e na Faixa de Gaza, sob bloqueio israelense, onde meus colegas de Médicos Sem Fronteiras (MSF) trabalham.
Israel conseguiu vacinar quase 4,2 milhões de pessoas com a primeira dose – o equivalente a 50% da população – e 2,8 milhões de pessoas com as duas doses completas – ou seja, mais de 30% da população.

Enquanto isso, somente alguns milhares de doses estão disponíveis na Cisjordânia, e uma remessa de 20 mil doses que chegou a Gaza no último fim de semana mal atende às necessidades locais. Supondo que as 35 mil vacinas Sputnik e Moderna estejam realmente disponíveis, isso representaria cerca de 0,8% da população palestina.

Para ser mais claro, a probabilidade de você ser vacinado em Israel é 60 vezes maior do que na Palestina. Israel tem a responsabilidade, como potência ocupante, de garantir o abastecimento médico da população ocupada, incluindo "a adoção e a aplicação de medidas profiláticas e preventivas necessárias para combater a propagação de doenças contagiosas e epidemias" em "toda a extensão dos meios disponíveis para isto." ¹

Vim para Hebron com uma equipe de MSF para ajudar especificamente na resposta à COVID-19. Em dezembro do ano passado, quando a segunda onda atingiu a Cisjordânia, o hospital Dura, onde apoiamos a oferta de assistência médica, estava lotado de pacientes de COVID-19. A maioria era idoso, muitos com doenças subjacentes, como diabetes ou outras doenças crônicas. Os pacientes morreram. Pacientes contaminados pela COVID-19 morreram em hospitais do mundo inteiro, mas esses pacientes morreram sob minha supervisão, e isso me dói.

Em oito das 11 províncias da Cisjordânia, o número de casos de COVID-19 está aumentando novamente. Em Hebron, esse aumento tem sido lento, mas constante, nas últimas quatro semanas. Não quero ver mais nenhum paciente morrendo por falta de oxigênio. A vacina é a minha esperança de isso ser evitado. Também é uma fonte de desespero.

A poucos quilômetros, em Israel, todos os grupos vulneráveis foram vacinados e, agora, estão planejando vacinar adultos e jovens saudáveis, que são menos vulneráveis, especialmente a complicações graves. Aqui na Cisjordânia, existem cerca de 10 mil doses, o que é suficiente para que 5 mil pessoas sejam vacinadas. No hospital onde trabalho, a vacina foi oferecida aos funcionários, mas as doses disponíveis não chegam nem perto de conseguir proteger todos os profissionais de saúde, muito menos os idosos e as pessoas com problemas de saúde que os tornam suscetíveis a morrer de COVID-19.

Se perguntarem por que pessoas vulneráveis não podem ser vacinadas na Palestina, não sei como responder. É inexplicável e inacreditável. Pior do que isso – é injusto e cruel.    

Ouvimos informações sobre vacinas adicionais que chegam à Palestina por meio de vários mecanismos de doação, mas elas não estão aqui agora. E, a meia hora de carro, Israel tem pilhas de vacinas e está começando a vacinar grupos não vulneráveis.

Estou indignado, mas meus colegas em Gaza estão ainda mais. Nem sempre foi fácil, mas o hospital Dura, em Hebron, onde tenho trabalhado, conseguiu a maior parte dos suprimentos necessários para responder à COVID-19, e a equipe de MSF conseguiu fornecer orientação e treinamento para impulsionar a capacidade da equipe de tratar pacientes graves e críticos – todos com necessidade de receber oxigênio. Mas, em Gaza, há uma escassez muito mais severa de suprimentos médicos e farmacêuticos, porque o bloqueio é muito rígido. A capacidade de tratamento de COVID-19 lá é menor, portanto, a necessidade da vacina é ainda maior. E a recente entrega de 20 mil vacinas não será suficiente para proteger os profissionais de saúde e as pessoas mais vulneráveis que precisam de cuidados médicos essenciais contra a COVID-19.

Israel é uma potência ocupante e tem milhões de vacinas. A Palestina é o território ocupado e tem apenas alguns milhares de vacinas. Como profissional de saúde, não me importa quem resolverá isso. Como profissional de saúde, me preocupo profundamente que os mais vulneráveis sejam priorizados. Fico com este pensamento vergonhoso ecoando em minha mente – 60 vezes mais probabilidade de ser vacinado em Israel do que na Palestina, com os palestinos mais vulneráveis ainda desprotegidos...

 

¹ Quarta Convenção de Genebra.


 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar