Você está aqui

Três perguntas sobre a importância da vacinação em uma epidemia de Ebola

19/07/2019
A diretora de operações de MSF Isabelle Defourny fala sobre estratégias para conter a epidemia na RDC
Três perguntas sobre a importância da vacinação em uma epidemia de Ebola

Pablo Garrigos/MSF

O que está acontecendo com a resposta à epidemia de Ebola na República Democrática do Congo?

A epidemia de Ebola no leste da República Democrática do Congo (RDC) ainda não está contida. Mais de 1.600 mortes pelo vírus Ebola foram registradas desde que o surto foi declarado pela primeira vez em 1º de agosto de 2018 e, durante os primeiros sete meses da epidemia (agosto de 2018 a março de 2019), mais de mil casos confirmados e prováveis foram declarados. Entre março e junho de 2019, esse número dobrou, com mil novos casos em um curto período de tempo. O pico foi no final de abril, com mais de 120 casos por semana. Ainda há uma enorme quantidade de novos casos, entre 75 e 100 a cada semana. Em um contexto como esse, é extremamente difícil rastrear com precisão as cadeias de transmissão da epidemia.

Durante o surto em 2014, tudo o que poderia ser feito era isolar os pacientes e dar a eles medicamentos que eram em grande parte ineficazes. Com os medicamentos experimentais e as vacinas disponíveis em 2019, agora podemos oferecer às pessoas a chance de se protegerem individualmente, assim como o acesso a tratamentos promissores.

De acordo com as informações fornecidas após o início da epidemia, as pessoas com quem os casos confirmados tiveram contato foram vacinadas e monitoradas pelas equipes do Ministério da Saúde. Muito provavelmente, isso ajudou a conter a epidemia por um tempo. É a primeira vez que a vacinação é implementada em larga escala, o que é um desenvolvimento muito positivo.

Essa abordagem ainda é possível hoje?

Digamos que ela precisa ser adaptada e aprimorada. Agora, a vacinação “em anel” está sendo usada. Isso implica a vacinação de qualquer pessoa que esteja em contato com alguém infectado pelo Ebola, bem como com todos os seus contatos. O raciocínio por trás do método não é ruim. Mas implementá-lo é demorado e desafiador (problemas para identificar os contatos individuais de cada pessoa) e o método não está adaptado à insegurança que afeta o Kivu do Norte (onde ocorre a maioria dos casos). Além disso, o número de pessoas vacinadas é muito pequeno para conter a propagação da epidemia. As equipes também têm problemas para transportar as vacinas a partir de Kinshasa, já que devem ser armazenadas a uma temperatura constante de -60 ° C. 

Portanto, uma mudança de estratégia é necessária para conter a epidemia?

Com certeza. De fato, em maio, os especialistas do grupo SAGE (formado especialmente pela Organização Mundial da Saúde para elaborar estratégias de imunização contra o Ebola) recomendaram modificar a estratégia de vacinação na RDC para que mais pessoas possam ser vacinadas. Até agora, o principal obstáculo à implementação da vacinação prolongada tem sido o pequeno estoque da vacina da Merck – a única que se mostrou eficaz em uma epidemia. De acordo com as últimas informações da OMS, 600 mil doses de vacina da Merck estão disponíveis. Se este for o caso, não há mais uma boa razão para que a vacinação não seja aumentada imediatamente.

As pessoas na RDC entendem a utilidade da vacinação e, de fato, estão pedindo para serem vacinadas. No entanto, com apenas cerca de 50 contatos de um caso confirmado vacinados, é provável que apenas 25% a pouco mais de 30% dos que estão em risco estejam protegidos. O estoque de vacinas na RDC é extremamente baixo, geralmente menos de mil doses. Com sua oferta apenas esporádica e problemas com o rastreamento de contatos, ainda não dá para dizer que essa seja uma estratégia de resposta a emergências.

Enquanto alguns acreditam que a epidemia vai terminar rapidamente, não vemos sinais para apoiar tais previsões. Muito pelo contrário, tem havido alertas recentemente em Uganda e perto da fronteira com o Sudão do Sul.

Outras vacinas existem. Elas devem ser testadas em uma zona de epidemia para estarmos preparados para a hipótese do surto se espalhar e para que possamos dispor de uma gama mais ampla de vacinas no caso de futuros surtos.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar