Você está aqui

Sudão do Sul: acesso a tratamentos antimalária precisa ser ampliado no oeste do país

07/11/2014
Populações de algumas das regiões mais afetadas pela doença não têm acesso a tratamento

O conflito em andamento no Sudão do Sul, que afeta diretamente as regiões Norte e Leste do país, tem desviado a atenção de cuidados de saúde que são preocupações regulares, como a epidemia de malária, atualmente em andamento no Oeste. A distribuição de medicamentos antimalária foi insuficiente em muitos centros de saúde periféricos e, como consequência, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) reportou um aumento no número de casos graves da doença, que representam uma ameaça à vida.

Todos os anos, com a estação das chuvas, os mosquitos se multiplicam em meio à água parada e o número de casos de malária cresce. Este ano, a epidemia está particularmente difundida nas regiões ocidentais do país. Chuvas torrenciais e extraordinariamente prolongadas em muitas regiões, associadas à falta de tratamentos disponíveis em alguns centros de saúde periféricos, levaram muito pacientes a terem que viajar até estruturas de saúde de MSF para serem tratados. Eles chegam às instalações após horas ou mesmo dias enfrentando condições médicas sérias.

Instalações de saúde de MSF em Aweil e Pamat, no norte do estado de Bahr el Ghazal, em Gogrial, no estado de Warrap, em Yambio, no estado de Equatoria Ocidental, e em Agok, no território de Abyei, trataram cerca de 60 mil pacientes desde o início do ano. Mais de 10% dessas pessoas foram hospitalizadas, número que equivale a mais que o triplo de pacientes atendidos durante o mesmo período no ano passado.

"MSF não pode cobrir todas as necessidades no norte do estado de Bahr el Ghazal, nos estados de Warrap e Equatoria Ocidental e no território de Abyei", afirma Renee Madrolle, coordenadora de projeto de MSF em Aweil. "Mais atores internacionais precisam se mobilizar em parceria com o Ministério da Saúde para oferecer acesso a tratamento antimalária para a população.”

As organizações parceiras do Ministério da Saúde não tiveram sucesso na distribuição de testes rápidos para diagnóstico e medicamentos por causa do atual conflito, e devido aos problemas estruturais na cadeia de suprimentos. Esses problemas tiveram dois grandes impactos no sistema de saúde, primeiramente em termos de prazo de distribuição – os medicamentos não puderam ser entregues no início da estação chuvosa em Juba, quando aconteceu o primeiro pico nos casos de malária, entre o final de maio e o início de junho de 2014 – e, posteriormente, não havia medicamentos suficientes disponíveis para uma distribuição abrangente em centros de saúde periféricos, e apenas algumas instalações os receberam. Como oconsequência, há grandes áreas afetadas pela malária cujas populações não têm acesso a tratamento.

Em resposta a tais necessidades, MSF levou rapidamente suprimentos extra de testes rápido para diagnóstico de malária e tratamentos para a doença para a maioria dos projetos da organização localizados na região afetada. MSF estruturou uma zona dedicada a cuidados para malária no centro de saúde de Gogrial, para responder ao grande número de pacientes.

Em junho, MSF iniciou atividades no departamento ambulatorial do hospital de Aweil para identificar novas infecções e oferecer tratamento. Os casos mais graves são internados em uma unidade de tratamento específica de 35 leitos estruturada por MSF em julho dentro do hospital. Atualmente, a capacidade é insuficiente.

Em setembro, 71% dos casos no departamento pediátrico do hospital de Aweil foram de malária. Regularmente, MSF organiza incursões de clínicas móveis nas áreas mais remotas para reduzir o número de casos graves nos hospitais, consequência de tratamentos tardios. Em setembro, MSF tratou mais de 10 mil casos de malária na região ocidental do Sudão do Sul.

"Alguns pacientes morrem quando poderiam ter sido facilmente salvos, caso tivessem tido acesso ao tratamento antes”, diz Renee Madrolle. "A malária é a primeira causa de mortalidade em Aweil durante a estação chuvosa, e as crianças são as mais afetadas. ”

Atualmente, MSF tem 25 projetos em nove dos dez estados do Sudão do Sul. A organização conta com 3.300 profissionais locais e 350 internacionais para realizar essas atividades.

Leia mais sobre