Você está aqui

Região da RDC precisa urgentemente de mais ajuda

16/12/2019
MSF é uma das poucas organizações presentes na parte sul da província de Kivu do Norte, onde há quase 700 mil deslocados e crescem casos de desnutrição, violência sexual e ferimentos a bala
Região da RDC precisa urgentemente de mais ajuda

Foto: Pablo Garrigos/MSF

Durante anos, os territórios de Masisi, Walikale e Rutshuru, na parte sul de Kivu do Norte, República Democrática do Congo, têm sido atormentados por violência armada e criminalidade. Nos últimos meses, esses confrontos armados se intensificaram, agravando ainda mais a terrível situação humanitária, levando a um número significativo de pessoas deslocadas e a um aumento preocupante de casos de desnutrição, violência sexual e ferimentos a bala entre eles.

"Desde o início do ano, o número de vítimas de violência sexual tratadas por MSF em Masisi dobrou em relação ao ano passado, e vimos um aumento nos casos de desnutrição", diz Ewald Stals, coordenador de campo de MSF na zona de saúde de Masisi. “A escalada de confrontos armados também levou a que mais pessoas fossem tratadas por ferimentos a bala, e a um aumento de famílias deslocadas que chegam a campos já superlotados, onde o acesso à água e ao saneamento é escasso. Não por acaso, foram relatados casos de cólera e tivemos que montar rapidamente um centro de tratamento de cólera. ”

"Onde estão os agentes humanitários?"

De janeiro a setembro de 2019, as equipes de MSF que trabalham nos territórios de Masisi, Rutshuru e Walikale trataram 11.220 crianças desnutridas, 2.310 vítimas de violência sexual e 1.980 pessoas com ferimentos de armas de fogo. Apesar desta situação crítica, esses territórios - frequentemente chamados de "Pequeno Norte" de Kivu do Norte - sofrem de uma flagrante falta de assistência por parte de outras organizações humanitárias.

“Nos últimos anos, várias ONGs deixaram o 'Pequeno Norte' por causa da insegurança, dificuldades de movimento na região e falta de financiamento”, diz Karel Janssens, chefe de missão de MSF na RDC. “Dada essa redução no número de organizações, temos respondido a um número crescente de necessidades médicas, mas também não médicas, especialmente em campos. Agora, estamos funcionando com capacidade máxima e outras organizações de emergência precisam voltar urgentemente e ajudar a responder às enormes necessidades humanitárias no local. ”

Segundo estimativas recentes, mais de 687.500 pessoas vivem em campos para pessoas deslocadas internamente ou estão sendo hospedadas por famílias locais nos territórios de Masisi, Rutshuru e Walikale. Durante meses, MSF vem defendendo o retorno de outras organizações humanitárias no terreno. Esses esforços resultaram na chegada de algumas organizações com financiamento temporário do Fundo Humanitário da RDC em meados de novembro.

"Esse suporte é temporário e longe de ser suficiente para atender às necessidades", diz Janssens. “Dada a escala da crise, é necessária uma resposta humanitária muito maior no sul do Kivu do Norte, com organizações presentes no terreno e com acesso a financiamento de longo prazo. O Plano de Resposta Humanitária 2020 para a RDC deve levar isso claramente em conta na sua próxima revisão.”

De janeiro a setembro de 2019, as equipes de MSF que trabalham nos territórios de Masisi, Walikale e Rutshuru trataram mais de 11.220 crianças desnutridas, 2.310 vítimas de violência sexual e 1.980 pessoas feridas por arma. Na zona de saúde de Masisi, o número de casos de violência sexual apoiados por MSF dobrou este ano, e a organização nota um aumento nos casos de desnutrição.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar