Você está aqui

Nigéria: casos de sarampo aumentam no estado de Borno

13/04/2021
A maior parte dos casos são de Zamarbari, uma comunidade remota onde o acesso a cuidados de saúde é extremamente limitado
Nigéria: casos de sarampo aumentam no estado de Borno

Foto: Wairimu Gitau

Médicos Sem Fronteiras (MSF) está tratando um grande número de pacientes com sarampo em Maiduguri, capital do estado de Borno, na Nigéria. “A primeira criança afetada pelo sarampo foi admitida no hospital pediátrico de Gwange no dia 3 de dezembro de 2020 e o número de pacientes tem aumentado desde então nos hospitais de Maiduguri”, disse David Thérond, coordenador-geral de MSF. "É necessária uma campanha de vacinação para que o número de casos diminua."

Até agora, um total de 1.158 crianças com sarampo foram recebidas no hospital pediátrico de Gwange em Maiduguri de 1 de janeiro a 3 de abril de 2021; dessas, 58% vieram de Zabarmari, uma pequena cidade localizada a cerca de 20 km de Maiduguri.

Em resposta, MSF fortaleceu a capacidade de hospitalização nas instalações de saúde de Gwange e Fori, aumentando o número de leitos de 65 para 105 em Gwange. MSF também iniciou atividades em parceria com as autoridades de saúde na cidade de Zabarmari, uma das áreas mais afetadas, com uma população estimada em mais de 45 mil pessoas, incluindo famílias deslocadas na comunidade local.

Considerando que o acesso a Zabarmari continua sendo um desafio, devido ao contexto volátil, MSF montou uma equipe local composta por dez profissionais de saúde comunitários e uma enfermeira. Esta equipe em Zabarmari é supervisionada por uma equipe móvel vinda de Maiduguri para apoiar os cuidados primários de saúde locais e encaminhar casos graves para o hospital pediátrico Gwange, em Maiduguri.

O estado de Borno tem tido episódios de epidemias de sarampo a cada dois anos durante a última década. Durante o surto de sarampo em 2019, oito áreas do estado de Borno foram afetadas e MSF ofereceu cuidados a 4 mil crianças nos hospitais de Gwange e Bama. Vários fatores contribuem para a epidemia. Isso inclui o fato de que a vacinação de rotina não é realizada em muitos locais porque mais de 60% dos centros de saúde, de acordo com as autoridades sanitárias, estão fechados ou não podem funcionar adequadamente por causa do conflito, e o fato de que Ongs que prestam cuidados de saúde em áreas remotas foram forçadas a sair por razões de segurança.
 
Kubura Mohammed, mãe de sete filhos, é de Zabarmari. Ela está no hospital pediátrico com sua filha de quatro anos, Kaltume Hafisu, que foi diagnosticada com sarampo.

"Minha filha ficou doente por seis dias antes de eu levá-la ao hospital. A equipe médica ficou ao lado de minha filha durante a nossa primeira noite porque seu estado era realmente crítico. O tratamento começou a partir do momento em que ela foi admitida e isso inclui a transfusão de sangue e administração de fluidos intravenosos."

"O atendimento que estamos recebendo aqui é totalmente gratuito. Agradecemos o que MSF está fazendo em nossa comunidade e devo acrescentar que, há cerca de duas semanas, uma de minhas filhas também foi tratada contra o sarampo neste hospital. Todos os meus sete filhos tiveram sarampo em épocas diferentes."

Para as comunidades que vivem fora de Maiduguri em áreas remotas, o acesso a cuidados de saúde e vacinação é fundamental. “Estamos envolvidos em discussões com as autoridades e nos preparamos para apoiar as autoridades de saúde para uma campanha de vacinação em Maiduguri e Zabarmari assim que as vacinas estiverem disponíveis, porque o sarampo é extremamente contagioso e especialmente perigoso para as crianças”, diz David Thérond.

O plano de vacinação ainda está em discussão nas esferas estadual e federal com o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar