Você está aqui

MSF une forças com o Ministério da Saúde do Mali para tratar pacientes de COVID-19 em Bamako

17/04/2020
Apoiamos o Hospital Universitário do Ponto G, onde os pacientes são isolados e recebem tratamento
MSF une forças com o Ministério da Saúde do Mali para tratar pacientes de COVID-19 em Bamako

Foto: Agnes Varraine-Leca/MSF

Desde o dia 22 de março, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está prestando assistência aos profissionais de saúde de um centro especializado no tratamento de doenças propensas a epidemias, em Bamako, capital e maior cidade do Mali. Parte do complexo hospitalar universitário do Ponto G de Bamako, o centro agora está sendo usado para fornecer assistência médica aos pacientes de COVID-19. Os dois primeiros casos positivos do novo coronavírus foram registrados na terça-feira, 25 de março. Desde então, 116 casos foram confirmados e 10 pessoas morreram.

Até o momento, quinze pacientes foram tratados no centro especializado, três deles na unidade de terapia intensiva. Seis pacientes se recuperaram da COVID-19 e receberam alta.

Um centro de tratamento especializado

No centro, os pacientes podem ser isolados e receber tratamento. "MSF enviou uma equipe composta por médico, enfermeiro e higienista para ajudar na primeira triagem, que fica na entrada do Centro Hospitalar Universitário do Ponto G", explica Foura Sassou Madi, coordenador-geral de MSF no Mali. As equipes do Instituto Nacional de Saúde Pública colhem amostras no hospital e depois transportam para o laboratório. "Enquanto aguardam os resultados, os pacientes são isolados e ficam em observação em uma ala com dois leitos. Queremos ampliar esse número para sete", acrescenta. Pacientes que apresentam sintomas mais intensos do novo coronavírus e precisam de cuidados médicos são imediatamente transferidos para a unidade de tratamento.

Sete enfermeiros de MSF e três médicos foram integrados à equipe do Ministério da Saúde para trabalhar na unidade de tratamento e a organização está recrutando dez higienistas para se juntar a eles. Por enquanto, a unidade possui oito leitos, mas um prédio com capacidade para até 100 leitos está sendo construído nas proximidades.

Os pacientes de COVID-19 também são internados no Hospital do Mali e no Hospital Dermatológico. MSF forneceu suporte técnico aos dois hospitais para configurar fluxos de pacientes e implementar medidas de prevenção e controle de infecções.

Administrando oxigênio aos pacientes

Os pacientes com sintomas graves do novo coronavírus geralmente apresentam hipóxia e precisam de oxigênio, que, de acordo com o quanto o paciente necessita e a infraestrutura disponível, é fornecido por diferentes dispositivos, como concentradores de oxigênio. "O hospital do Ponto G possui uma unidade de produção de oxigênio. Estamos trabalhando com a gerência do hospital para melhorar o fluxo de oxigênio da unidade de produção e instalar um sistema de suprimento montado na parede, para que, no novo prédio, o oxigênio possa ser entregue diretamente no leito do paciente", diz Idrissa Ouédraogo, coordenador médico de MSF no Mali.

O tratamento é fornecido gratuitamente aos pacientes de COVID-19 internados no hospital do Ponto G - desde oxigênio e medicamentos, passando por check-ups e exames médicos.

Proteger os profissionais de saúde e os que estão mais em risco

Proteger a equipe médica e aqueles em maior risco de desenvolver formas graves da doença, como idosos e pessoas com doenças crônicas, como diabetes, câncer, pressão alta ou outros problemas cardiovasculares, é um desafio real, pois o mundo enfrenta uma pressão crescente em relação à fabricação de equipamentos de proteção individual, que inclui máscaras. Proteger as equipes médicas do novo coronavírus é absolutamente crucial para que se possa continuar prestando atendimento. E, em Bamako, esse é um problema que afeta nãos ó a unidade de tratamento de COVID-19. MSF apoia o departamento de hematologia-oncologia do hospital desde o final de 2018. "Manter esta atividade é uma das nossas prioridades, para que pacientes com câncer possam continuar seu tratamento. Mas será um problema se não tivermos máscaras e equipamentos de segurança suficientes para garantir a proteção desses pacientes particularmente vulneráveis e da equipe que os acompanha", alerta o médico Idrissa Ouédraogo.

Medidas para impedir a propagação do vírus

A batalha contra a COVID-19 está sendo travada para além dos hospitais. MSF está apoiando as equipes do Ministério da Saúde que vão aos bairros de Bamako, informando as pessoas sobre o que devem fazer para se proteger do vírus e evitar espalhá-lo às pessoas ao seu redor. MSF estabeleceu pontos de água – cerca de 30 até agora – para facilitar a lavagem das mãos nos locais mais movimentados e planeja estender essas iniciativas.

MSF atua no Mali em outros lugares além de Bamako, para ajudar pessoas com necessidades urgentes porém com pouco acesso à assistência médica, principalmente em zonas de conflito no centro e norte do país. A organização mantém programas em Douentza, Ansongo, Koutiala, Ségou, Ténenkou, Niono e Koro. As equipes estão aprimorando as medidas de prevenção, higiene e controle de infecção e criando espaços para isolar pacientes em potencial da COVID-19 em todas as instalações médicas onde trabalham. E, como parte da resposta à COVID-19, MSF também está ajudando o Ministério da Saúde com atividades como treinamento de profissionais e conscientização do público em regiões onde a organização já está trabalhando. Os hospitais de Gao e Sévaré também receberam suporte técnico.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar