Você está aqui

MSF pede acesso a solicitantes de asilo e refugiados retidos na ilha Manus, em Papua Nova-Guiné

27/11/2017
Apesar de ter recebido autorização por escrito, MSF não teve acesso a pessoas detidas nos centros de trânsito

Médicos Sem Fronteiras pede às autoridades da Papua-Nova Guiné que permitam que suas equipes tenham acesso aos solicitantes de asilo e refugiados nos centros de trânsito da ilha Manus, para avaliar suas condições e fornecer cuidados médicos essenciais, caso seja necessário.

Na sexta-feira, 24 de novembro, a polícia da Papua-Nova Guiné retirou os refugiados e os solicitantes de asilo que permaneciam dentro do Centro de Processamento Regional (CPR), onde centenas de pessoas ainda viviam, apesar de a instalação ter sido oficialmente fechada. No domingo, 19 de novembro, MSF havia recebido das autoridades da Papua Nova-Guiné autorização por escrito para avaliar as condições médicas dentro do CPR. Com esse intuito, uma equipe composta por dois médicos e um especialista em água e saneamento aguardava na ilha Manus desde quarta-feira, 22 de novembro. No entanto, apesar da autorização, a equipe nunca teve acesso aos refugiados e solicitantes de asilo, até o momento em que os 328 homens restantes no CPR foram removidos e enviados para centros de trânsito alternativos na sexta-feira. MSF não recebeu acesso a nenhum centro de trânsito.

"Como um profissional humanitário e médico, estou muito preocupado com o destino dos refugiados e solicitantes de asilo nos centros de trânsito da ilha Manus. É sabido que eles tiveram acesso limitado a comida e água nas últimas três semanas. Alguns deles vivem em detenção há quatro anos, com provável impacto para sua saúde mental”, disse o dr. Stewart Condon, membro da equipe de MSF que viajou para Manus e presidente de MSF-Austrália.

"Na quinta-feira, 23 de novembro, conhecemos um homem que mais tarde foi levado pela ambulância do CPR para o Hospital Geral Lorengau. Ele parecia estar desidratado, desnutrido e mostrando sinais de depressão grave, mas não conseguimos falar com ele. Estamos acompanhando seu progresso”, continuou Condon. "MSF continua preocupada em saber se as necessidades médicas e psicológicas das pessoas estão sendo atendidas e se as estruturas locais têm capacidade de cuidar delas. A situação aqui é volátil e a equipe de MSF permanece em espera para dar qualquer apoio médico-humanitário que for possível. Pedimos às autoridades que concedam a MSF, uma organização médico-humanitária independente, acesso aos refugiados e solicitantes de asilo dentro dos centros de trânsito para avaliar suas condições médicas."
 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar