Você está aqui

MSF inscreve pacientes em estudo clínico para tratamento de Ebola

13/02/2019
Objetivo dos testes é identificar qual dos quatro tratamentos é mais eficaz

Foto: Alexis Huguet

Os Centros de Tratamento de Ebola operados por MSF em Katwa e Butembo, em colaboração com o Ministério da Saúde, estão participando de um estudo controlado randomizado (RCT) de quatro tratamentos contra Ebola em Kivu do Norte, República Democrática do Congo (RDC). O teste começou originalmente em novembro em outro centro de Ebola na região e as instalações de MSF agora podem contribuir fornecendo informações valiosas sobre esses tratamentos em desenvolvimento.

Os tratamentos que serão utilizados no RCT são Remdesivir, mAb114, REGN-EB3 e ZMapp. Eles foram oferecidos aos pacientes desde o início desta epidemia, sob um protocolo denominado Uso Monitorado Emergencial de Intervenções Não Registrado e Investigacional (MEURI, na sigla em inglês). A mudança de MEURI para um ensaio clínico é um passo crítico, porque um ensaio clínico pode gerar os dados científicos necessários para que possam ser tiradas conclusões sobre a eficácia desses tratamentos. O principal objetivo deste estudo é identificar qual dos quatro produtos é o mais eficaz para tratar pacientes com Ebola.

O teste é supervisionado por um comitê da Organização Mundial da Saúde (OMS), liderado pelo INRB (Instituto Nacional de Pesquisas Biomédicas da República Democrática do Congo) e pelo NIH (Instituto Nacional de Saúde dos EUA) em colaboração com outros atores nacionais e internacionais.

Butembo e Katwa são atualmente os focos da epidemia de Ebola que foi declarada na RDC em 1° de agosto de 2018. O centro de tratamento de Butembo pode atender 96 pessoas, enquanto o de Katwa, inaugurado no mês passado, tem capacidade de 62 leitos. Desde que foram abertos, MSF admitiu mais de 2.100 pacientes nesses dois centros, dos quais 250 foram confirmados com Ebola, com 110 casos recuperados da doença.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar