Você está aqui

MSF inicia transferência de atividades de resposta ao Ebola na RDC

02/07/2018
Desde 6 de junho, nenhum novo caso de Ebola foi relatado
MSF inicia transferência de atividades de resposta ao Ebola na RDC

Foto: Louise Annaud/MSF

Após uma intervenção de emergência de dois meses na província de Equateur, na República Democrática do Congo (RDC), as equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) começaram a transferir suas atividades de resposta ao Ebola ao Ministério da Saúde congolês e a outras organizações não-governamentais em Mbandaka, Bikoro, Itipo e Iboko.
 
"Este surto de Ebola ainda não terminou oficialmente, mas estamos muito satisfeitos com o progresso", disse Henry Gray, coordenador de emergência de MSF na província de Equateur. “Dado o baixo número de casos e a crescente capacidade dos funcionários locais, o Ministério da Saúde tem boas condições para terminar o trabalho que começamos juntos.”

Durante todo o surto, oficialmente declarado em 8 de maio, as equipes do Ministério da Saúde congolês em Bikoro, Itipo, Mbandaka e Iboko, apoiadas por MSF, trataram 38 casos confirmados, entre eles 24 sobreviventes que retornaram a suas casas. Infelizmente, 14 morreram. Mais de 120 outros pacientes que apresentaram sintomas consistentes com Ebola foram isolados e testados antes de serem autorizados a voltar para casa após o resultado negativo do teste.

O processo de transferência começou com o fechamento do centro de triagem de Ebola de MSF no hospital de referência geral de Itipo, em 20 de junho. Todos os novos pacientes com suspeita da doença são atendidos no centro de tratamento de Ebola, mantido pela organização ALIMA, que também está realizando atividades de vigilância nas áreas afetadas e ajudará o Ministério da Saúde a administrar uma clínica para sobreviventes de Ebola.

Em 25 de junho, MSF entregou o centro de tratamento de Ebola no hospital de referência geral de Bikoro a equipes do Ministério da Saúde, que continuam a isolar e testar os casos suspeitos. Todas as atividades de divulgação, vigilância, promoção de saúde, desinfecção e funeral seguro em Bikoro também foram entregues ao Ministério da Saúde e a outras organizações não-governamentais.

Uma equipe de MSF está atualmente construindo uma pequena unidade de isolamento no hospital geral de referência de Mbandaka. Uma vez concluída, qualquer paciente com suspeita do vírus será isolado e passará por testes na nova instalação. O centro de tratamento de Ebola construído por MSF nos arredores de Mbandaka, que conta com 40 leitos, será desinfetado e desmontado no início de julho.

O centro de tratamento de Ebola em Iboko será a última instalação apoiada por MSF a ser entregue ao Ministério da Saúde, em 15 de julho. Enquanto isso, MSF continuará suas atividades de vigilância, além de apoiar o hospital com cuidados pediátricos, prevenção e controle de infecções dentro da instalação.

Finalmente, dado que nenhum novo caso de Ebola foi relatado desde 6 de junho, equipes de MSF, junto a equipes da Organização Mundial de Saúde (OMS), completaram a “vacinação em anel” de todos que tiveram contato com pacientes confirmados, assim como os contatos de seus contatos. Da mesma forma, a vacinação realizada por MSF dos profissionais que trabalham na linha de frente nas zonas de saúde em Bikoro e Iboko foi concluída em 23 de junho. Se não houver novos casos confirmados, o acompanhamento de 21 dias dos últimos trabalhadores vacinados por MSF e, por sua vez, as atividades de vacinação da organização na província de Equateur, serão concluídos em 14 de julho.

"Estamos felizes pela enorme resposta internacional a este surto de Ebola, mas os congoleses são muito mais propensos a sofrerem de malária, sarampo, cólera ou violência relacionada ao deslocamento do que de Ebola", disse Gray. “Além das atividades médicas que MSF já realiza junto ao Ministério da Saúde na RDC, MSF está agora respondendo a um novo surto de cólera em Mbuji Maji (província de Kasai Oriental) e avaliando a melhor forma de responder às consequências da recente violência em Tshikula (província de Kasai Central).”

Caso não haja mais casos confirmados de Ebola, o fim do surto será oficialmente declarado pelas autoridades sanitárias congolesas em 22 de julho. Esta data é de 42 dias (o dobro do período de incubação de Ebola) e um dia depois da realização do enterro seguro do último paciente morto infectado em Bikoro. Um total de 3.199 pessoas foram vacinadas contra o Ebola com a vacina experimental rVSVDG-ZEBOV-GP no âmbito do Quadro de Acesso Expandido da OMS, pelas equipes de MSF, da OMS e do Ministério da Saúde congolês. Somente as equipes de MSF vacinaram 1.673 pessoas nas áreas de Bikoro e Itipo, incluindo os contatos de pacientes com Ebola e seus contatos, bem como os trabalhadores da linha de frente (trabalhadores de saúde, funerários, curandeiros tradicionais e motoristas de táxi) considerados em risco de contrair o vírus.
 

Leia mais sobre