Você está aqui

MSF enfrenta surto de sarampo no maior campo de refugiados do mundo

19/02/2020
Baixa cobertura vacinal facilita expansão da doença entre população rohingya em Bangladesh
MSF enfrenta surto de sarampo no maior campo de refugiados do mundo

Foto: Tariq Adnan/MSF

O sarampo, uma doença facilmente evitável por meio da vacinação, está se proliferando no maior campo de refugiados do mundo, em Bangladesh. No local vivem cerca de 1 milhão de membros da etnia rohingya, que foram expulsos de Mianmar.

Somente em janeiro, 120 pessoas foram admitidas nas enfermarias de isolamento do hospital de Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Kutupalong, um dos subcampos localizados na região de Cox Bazaar. O vírus atinge principalmente crianças com menos de 5 anos de idade e pode levar à morte. Paralelamente, 900 pessoas receberam atendimento ambulatorial no mesmo período.

Em um quarto rosa decorado com flores brancas no hospital de Kutupalong de MSF, uma mulher está deitada perto do filho adormecido. Ao lado dela, uma jovem mãe embala um bebê enquanto a outra filha brinca com um balão. Fileiras de camas se estendem em qualquer direção, mães e crianças sentadas ou deitadas em silêncio em cada uma delas. Cada criança tem no braço um acesso intravenoso com soro.  

Na área de isolamento, todas as crianças estão gravemente doentes com sarampo. Muitos têm complicações adicionais, como pneumonia e desnutrição. A enfermeira verifica os sinais vitais a cada hora. Para uma ala cheia de crianças pequenas, é assustadoramente silenciosa - a maioria delas está semi-consciente.

O sarampo é uma doença evitável; uma vacinação simples e segura protege contra a doença. Com a imunização de rotina, essas crianças não deveriam ter contraído o vírus. Portanto, a verdade é que nenhuma dessas crianças deveria estar ali.

A ala do hospital não deveria sequer existir. Geralmente é uma unidade de alimentação intensiva para crianças gravemente desnutridas. Mas há quatro semanas, para lidar com o crescente número de casos críticos de sarampo que necessitam de cuidados intensivos em regime de internação, a equipe teve que transformá-la em uma ala de isolamento de emergência.

"Desde novembro, os casos têm aumentado e aumentado", explica Mohammad Younus Ali, enfermeiro de MSF no Hospital Kutupalong. "Agora está muito cheio".

Causado por um vírus altamente contagioso transmitido pelo ar, o sarampo é particularmente perigoso para as crianças, colocando-as em risco de pneumonia grave, encefalite e morte. Mais de 80% dos pacientes atuais de MSF tem menos de 5 anos de idade. Treze morreram de sarampo nas clínicas de MSF desde o início do surto.

A filha de nove meses de Nurata, Nur Salima, teve febre há seis dias e recebeu tratamento no hospital de Kutupalong. O enfermeiro Younus explica que o bebê Nur Salima estava quase inconsciente quando chegou na sala de emergência. “Vi o rosto de [Nurata] no dia da admissão; havia muito medo em seu rosto."

Os médicos deram à criança oxigênio para ajudá-la a respirar e antibióticos para combater infecções secundárias. Infecções respiratórias graves e dificuldades respiratórias são complicações comuns em casos críticos de sarampo. O médico de MSF Nowshad Alam Kanan descreve como as crianças chegam à clínica, ofegando. "É como se estivessem sufocando", diz ele.

A 7 km de distância, na parte sul do campo de refugiados, MSF está recebendo pacientes no centro de saúde de atenção primária de Jamtoli. Como outros lugares, esta clínica também está sobrecarregada. Como um centro de saúde primário, a ala de isolamento possui cinco leitos, o que normalmente é suficiente - exceto agora, porque a clínica recebe dez a quinze pacientes diariamente, de acordo com o Dr. Nowshad.

Na ala de isolamento de Jamtoli, Romida e seu marido Abu Sufian estão com seu filho Forkan, de dez meses de idade. Eles se casaram no campo de refugiados, e Forkan é seu primeiro filho. Seu rosto está coberto pela erupção cutânea vermelha do sarampo, seus olhos inchados e fechados. Apático e com dor, ele se contorce no colo de sua mãe enquanto ela o balança suavemente. A preocupação está gravada nos rostos dos jovens pais.

Quando o filho ficou doente, Romida teve tanto medo que parou de comer. Sofrendo de febre alta, diarreia e dificuldade para respirar, Forkan também se recusou a ingerir líquidos. Agora, uma enfermeira entrega a Romida uma seringa cheia de uma solução de reidratação oral, que ela gentilmente tenta pingar na boca do filho. O sarampo pode causar infecções orais, o que torna o ato de comer e beber excepcionalmente doloroso. Apesar do incentivo, o pequeno Forkan não consegue beber.

Os rohingyas sofreram décadas de perseguição e restrições de acesso a cuidados de saúde em Mianmar. Como resultado, a maioria das pessoas nunca recebeu imunização de rotina para doenças infecciosas. A falta de imunização de rotina de qualidade para os refugiados rohingyas nos campos significa que bebês como Forkan, que nascem aqui, correm o risco de contrair doenças infecciosas evitáveis, como o sarampo.  

Depois de cinco dias na ala de isolamento, a filha de Nurata, Nur Salima, melhorou e finalmente ficou forte o suficiente para receber alta. Depois de cuidar de sua saúde, o enfermeiro Younus está encantado. A sensação de ver um paciente sobreviver "é indescritível", diz ele, muito feliz.

Forkan, no entanto, ainda está lutando. Incapaz de beber qualquer líquido, ele foi transferido para o hospital de MSF em Goyalmara para tratamento intensivo. A equipe de MSF fará tudo o que puder para salvar sua vida.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar