Você está aqui

MSF apela por suspensão de monopólios de medicamentos durante a pandemia

16/12/2020
Mais de 100 países apoiam a proposta na OMC, mas Brasil continua alinhado a nações ricas

O Conselho Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) se reúne nesta quarta e quinta-feira (16 e 17 de dezembro) em meio ao aumento global de casos de COVID-19. Neste contexto, Médicos Sem Fronteiras (MSF) pede que todos os países atuem em solidariedade e na construção de consenso em torno da proposta histórica de Índia e África do Sul de abrir mão de alguns mecanismos de proteção de propriedade intelectual durante a pandemia. Durante a reunião decisiva, os governos devem tomar todas as medidas necessárias para tornar esta proposta uma realidade.

Se adotada, a proposta de suspensão de direitos de propriedade intelectual permitirá que os países optem por não fazer cumprir, aplicar ou implementar patentes e outras exclusividades que poderiam impedir a produção e fornecimento de ferramentas médicas de combate à COVID-19. A medida facilitaria a colaboração para o desenvolvimento, produção e fornecimento destas mesmas ferramentas, sem que interesses e ações corporativas prevalecessem.

Eswatini, Quênia, Moçambique, Paquistão e Bolívia já se juntaram oficialmente como copatrocinadores da proposta. Desde o início das discussões no Conselho TRIPS, que trata de questões relacionadas à propriedade intelectual e industrial na OMC, em outubro, cerca de 100 países manifestaram-se de forma positiva ou apoiaram integralmente a proposta. No entanto, um pequeno grupo de membros da OMC - Austrália, Brasil, Canadá, UE, Japão, Noruega, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos - está negando apoio para a construção do consenso necessário em relação à proposta. Alguns desses países têm tradicionalmente apoiado os interesses de suas empresas farmacêuticas por meio de um sistema de propriedade intelectual proprietário.

 “Os governos não devem desperdiçar esta oportunidade histórica e evitar que se repitam as dolorosas lições dos primeiros anos da resposta ao HIV/AIDS”, afirma Yuan Qiong Hu, cocoordenador de políticas da Campanha de Acesso de MSF. “Esta proposta daria aos países mais formas de enfrentar as barreiras legais para maximizar a produção e o fornecimento de produtos médicos necessários para o tratamento e a prevenção da COVID-19.”

Mesmo em meio a uma pandemia global, as empresas farmacêuticas continuam a seguir sua abordagem usual de maximizar os lucros. Os últimos meses revelaram vários casos e indicações que destacam claramente como mecanismos de propriedade intelectual  prejudicaram ou espera-se que atrapalhem a fabricação e o fornecimento de diagnósticos, equipamentos médicos, tratamentos e vacinas necessários para responder a esta pandemia. Por exemplo, a África do Sul enfrentou desafios para acessar reagentes químicos essenciais para os testes de diagnóstico para COVID-19 devido à proteção proprietária das máquinas e dos reagentes. E na Itália, os detentores de patentes ameaçaram os produtores de válvulas de ventilação impressas em 3D com processos de violação de patentes.

“Contar com a boa vontade corporativa ou caridade não é uma solução em uma pandemia global”, avalia Felipe Carvalho, coordenador da campanha de acesso de MSF no Brasil. “Em nosso trabalho, sempre testemunhamos até onde a indústria farmacêutica irá para proteger suas patentes e lucros, apesar do imenso custo humano. Não podemos permitir que medicamentos, testes e vacinas desenvolvidos para combater a COVID-19 se tornem um luxo para poucos - eles devem ser acessíveis a todos, em qualquer lugar. E renunciar a patentes e propriedade intelectual é um passo decisivo.”

A indústria farmacêutica e outros oponentes desta proposta estão fazendo afirmações enganosas de que a propriedade intelectual permitiu o avanço do desenvolvimento dos medicamentos e vacinas para COVID-19. Na realidade, os recursos do setor público e o financiamento filantrópico têm sido os principais impulsionadores dos esforços de pesquisa sem precedentes, por meio do investimento de bilhões de dólares para apoiar a pesquisa e o desenvolvimento das ferramentas médicas de combate à COVID-19.

Além disso, governos, profissionais de saúde, pacientes, sobreviventes do vírus e o público em geral contribuíram enormemente para os ensaios clínicos e outras atividades de P&D relacionadas a vacinas e medicamentos. No entanto, muitas das empresas farmacêuticas estão se esforçando para comercializar e monopolizar descobertas científicas originadas em laboratórios públicos com financiamento público em todo o mundo.
“Defender a proteção do monopólio é a antítese do atual apelo para que os medicamentos e vacinas para COVID-19 sejam tratados como bens públicos globais”, diz Hu. “Nesse momento sem precedentes, os governos devem agir juntos pelos interesses de todas as pessoas em todos os lugares.”

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar