Você está aqui

MSF alerta para necessidade urgente de reforçar resposta à COVID-19 na Guiné Bissau

15/05/2020
Face ao aumento dramático no número de casos confirmados de COVID-19 na cidade de Bissau, as várias atividades de prevenção e de resposta no país à pandemia têm de ser intensificadas. Uma melhor coordenação e a ampliação dos esforços de todos os envolvido
Guiné-Bissau: MSF faz apelo pela ampliação da resposta à COVID-19

Foto: MSF

A Guiné-Bissau está diante de um aumento alarmante no número de casos de COVID-19, a maioria registrados na cidade de Bissau. O número de pessoas infectadas pelo vírus aumentou em 15 vezes nos últimos 14 dias, de 54 casos em 30 de abril para mais de 836 no dia 14 de maio, o que coloca o país como um dos mais pesadamente afetados em termos de casos per capita na África.

“Num país pequeno como a Guiné-Bissau, com uma população estimada de 1,9 milhões, e de 250 mil em Bissau, que é o epicentro da COVID-19 no país, este aumento dramático mostra que o vírus continua a propagar-se nas comunidades e mais rápido do que pensávamos”, explica Monica Negrete, coordenadora de projeto de MSF em Bissau. “Confirma também que estamos de fato numa tendência ascendente da contaminação, apesar das medidas adotadas pelas autoridades”.

Até o dia 14 haviam sido oficialmente reportadas três mortes mas, com os números em expansão, é possível que algumas mortes não tenham ainda sido registadas ou reportadas.

Outro fato preocupante é que um vasto número de profissionais médicos do Hospital Nacional Simão Mendes (HNSM) contraíram a COVID-19 e estão atualmente em quarentena, impossibilitados de trabalhar.

Além disso, o elevado nível de estigma e a falta de conhecimento sobre a doença por parte da população no país tornam a situação ainda mais grave e complicam as possibilidades de conter a propagação da epidemia.


Desde o início de fevereiro, MSF tem participado no COES (Centro de Operações de Emergência de Saúde) na Guiné-Bissau, onde as decisões e concretização da resposta na emergência de saúde são debatidas e coordenadas entre as autoridades governamentais e as várias entidades internacionais presentes no país.

“Embora tenham sido tomadas medidas, como zonas de isolamento em unidades de saúde designadas e a gestão básica de casos, estas são ainda insuficientes e frequentemente mal coordenadas ao nível de Bissau e nas regiões”, acrescenta Negrete. “As agências internacionais, o sistema da ONU e outras entidades locais envolvidas na resposta à COVID-19 têm de redobrar os seus esforços com urgência, uma vez que permanece ainda um grande número de necessidades que não estão cobertas. A gravidade dos números de hoje requer liderança e determinação ao mais alto nível”.

Uma melhor coordenação sustentada em transparência e solidariedade é urgente para garantir que os planos de resposta à COVID-19 sejam bem divulgados e compreendidos.

MSF apela a todas as entidades envolvidas na Guiné-Bissau na resposta à pandemia a fazerem todos os esforços para aumentar significativamente as atividades a todos os níveis da resposta, e principalmente a darem prioridade aos aspetos específicos:

Os profissionais de saúde no país – na vanguarda da resposta à COVID-19 e outros – têm de estar protegidos, em particular através do fornecimento do necessário equipamento de proteção e outras medidas de IPC (infecção, prevenção e controle). Têm de ser ativados planos de contingência nas estruturas de saúde, incluindo zonas de isolamento e capacidade de gestão básica de casos que necessitem de ajuda respiratória.

O reforço da epidemiologia a nível nacional e a nível regional e garantir o registro de dados e a organização laboratorial, rastreamento de contatos e monitorização de casos suspeitos e confirmados são urgentes para compreender a situação e tomar as medidas apropriadas.

O envolvimento da comunidade é fundamental: a população precisa compreender os riscos associados à COVID-19 e quais as medidas apropriadas a tomar para mitigar a propagação da doença. É crucial continuar a trabalhar em proximidade com as comunidades para providenciar cuidados domiciliarios e proteger as pessoas. Atividades regulares visando o aumento de conscientização devem ser prestadas com o envolvimento de todas as comunidades e da sociedade civil.

As medidas COVID-19 adotadas não devem erguer barreiras no acesso a serviços essenciais de cuidados de saúde aos mais vulneráveis. A assistência humanitária tem de ser assegurada, principalmente garantindo a capacidade de deslocamento dos profissionais humanitários de saúde nacionais e internacionais.

Finalmente, uma resposta apropriada à pandemia da COVID-19 não deve absorver toda a capacidade local disponível. Num país com um sistema de saúde extremamente frágil como a Guiné-Bissau, a realocação de recursos pode ter impactos sobre outras prioridades de saúde. Maior mobilização das entidades internacionais e de recursos é essencial e necessário para proteger a saúde da população.

Atuação de MSF contra a COVID-19 - Presente nas unidades de emergência pediátrica e neonatal do HNSM, Médicos Sem Fronteiras (MSF) ativou as medidas necessárias de prevenção e proteção dos profissionais de saúde e dos pacientes nos serviços em que presta apoio. Assistência técnica e formação para a concretização de medidas preventivas foram também oferecidas ao resto das equipes do HNSM. MSF tem prestado e providenciou apoio significativo na preparação e formação das equipes envolvidas na gestão de casos de COVID-19. MSF também dá apoio ao centro de atendimento telefónico COVID-19, o qual responde 24 horas por dia a telefonemas da população, e tem duas equipes móveis que se deslocam diariamente às comunidades para proceder ao rastreamento de contatos e monitorização de casos suspeitos. Ao longo da última semana, tem sido dado também apoio no registro e organização de dados ao departamento de epidemiologia e ao laboratório nacional.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar