Você está aqui

Mali: mais uma vez, MSF pede respeito à população civil

03/04/2013
Envolvidos nos conflitos no norte do país devem facilitar o acesso irrestrito dos civis a cuidados de saúde

Após violentos confrontos em Timbuktu nos dias 30 e 31 de março, equipes da organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) atuando no hospital da cidade trataram 21 pessoas feridas, incluindo 11 civis, dos quais dois morreram.


Embates esporádicos entre soldados e grupos armados impedem que os habitantes de Timbuktu desloquem-se pela cidade e há registros de pessoas que morreram porque não puderam acessar as instalações de saúde para tratar seus ferimentos em meio à violência. MSF pede que todos os envolvidos no conflito respeitem as populações civis e facilitem seu acesso às instalações médicas.


Há mais de um ano, equipes de MSF estão oferecendo cuidados médicos, incluindo cirurgia, a pacientes e pessoas feriadas de todos os lados do conflito. Nos últimos meses, MSF admitiu aproximadamente 40 pacientes e realizou uma média de 15 operações por semana no hospital de Timbuktu.


Além do trabalho sendo realizado em Timbuktu, MSF está tratando casos de desnutrição e malária em quatro centros de saúde do distrito e no hospital de Niafoukné. Para responder às necessidades médicas relacionadas ao conflito no norte do país, MSF está atuando em Gao, Ansongo, Douentza, Konna e Boré e levando assistência aos refugiados malineses na Mauritânia, no Níger e em Burkina Faso. MSF também está oferecendo cuidados pediátricos em um hospital e em cinco centros de tratamento no distrito de Koutiala, no sul do Mali.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar