Você está aqui

Leishmaniose visceral ameaça milhares de pessoas nas áreas do sul do Sudão

13/11/2002
MSF está combatendo um surto epidêmico e fatal de Calazar ou leishmaniose visceral na população do Sudão, desgastada por décadas de guerra.

“O estado destes pacientes é horrível. Eles são carregados em macas durante dias para chegar até a clínica. Eles estão pálidos, magros e extremamente anêmicos”, disse Dr. José Antônio Bastos, um diretor operacional de MSF.  

London/Nairobi - A organização de ajuda humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) está combatendo um surto epidêmico e fatal de Calazar ou leishmaniose visceral no sul do Sudão. Desgastada por décadas de guerra, a população se encontra extremamente vulnerável a esta doença. Enquanto as negociações de paz prosseguem, grandes partes do sul do Sudão ainda estão inacessíveis a organizações de ajuda humanitária e doenças como a leishmaniose continuam a levar milhares de vidas.

Em Lankien, ao leste do estado de Upper Nile, MSF recebeu 100 admissões por semana nas últimas 6 semanas e está atualmente tratando 333 pacientes.

“É um cenário devastador; muitas pessoas chegam à clínica todos os dias, mais mortas do que vivas”, disse Dr. José Antônio Bastos, diretor operacional de MSF, que acabou de voltar de Upper Nile. “O estado destes pacientes é horrível. Eles são carregados em macas durante dias para chegar até a clínica. Eles estão pálidos, magros e extremamente anêmicos”.  

Um projeto de MSF próximo, na cidade de Malakal, está atualmente tratamento 210 pacientes, enquanto um outro em Umm el Kher, no estado de Gadaref, está assistindo 414 casos. Relatos de áreas adjacentes, nas quais MSF ainda não foi capaz de entrar, indicam que a prevalência da doença seria alta lá também.

“Há uma clara intersecção entre as áreas onde a Calazar é endêmica e as áreas de conflito”, disse Dr. Bastos. “Insegurança, desnutrição e pouco acesso a cuidados de saúde abaixam a resistência natural das pessoas e colaboram para que surtos epidêmicos, como este, aconteçam”.

Há duas semanas, um segundo turno de negociações de paz se iniciou entre o governo sudanês e os rebeldes do sul do Exército de Libertação do Povo Sudanês (SPLA). Até agora, eles concordaram com um acordo que impede ofensivas militares enquanto as partes estão em negociação. “O acordo de cessar-fogo pode significar que nós poderemos, dentro em breve, ter acesso a áreas que não temos agora”, Dr. Bastos comentou.

Calazar é uma doença parasitária que é transmitida por um mosquito muito pequeno, amarelado, conhecido como mosquito palha. Se não for tratada, a doença é fatal. Embora a doença seja endêmica em partes do Sudão, Etiópia e Somália, e geralmente atinja seu pico nesta estação do ano, o nível atual de contaminação é excepcional, e mostra um aumento dramático comparado à mesma estação nos últimos anos. Um dos maiores problemas para organizações como MSF é o alto custo dos medicamentos existentes e a falta de mais pesquisa e desenvolvimento para tratamentos novos e mais efetivos.

MSF tem trabalhado em diversos lugares no norte e no sul do Sudão desde 1978, assistindo populações vulneráveis com programas de saúde básica, de emergência nutricional e contra surtos epidêmicos de doenças infecciosas.