Você está aqui

Haiti: após o terremoto, uma infinidade de desafios para os pacientes

30/08/2021
As instalações médicas no sul do Haiti foram amplamente danificadas e ainda não estão aptas a fornecer os cuidados de acompanhamento que os pacientes irão necessitar
Terremoto no Haiti - Tabarre

Steven Aristil

Mais de uma semana depois que um terremoto destruiu sua casa e fraturou os ossos de sua perna, Widnika, de 2 anos e 7 meses, dorme em uma cama no hospital Tabarre de MSF, em Porto Príncipe, enquanto sua mãe Widline está sentada com ele.

O terremoto de magnitude 7,2 começou às 8h29, horário local, no dia 14 de agosto, e terminou alguns minutos depois. Nesses momentos terríveis, quando paredes e telhados desabaram em áreas fortemente afetadas no sul do Haiti, mais de 2.200 pessoas foram fatalmente atingidas e mais de 12 mil pessoas ficaram feridas. Sobreviventes como Widnika começaram uma longa jornada de recuperação de traumas físicos e emocionais.

Depois que a casa da família de Widnika desabou, os vizinhos da cidade de Camp-Perrin ajudaram a retirá-lo dos escombros, e sua mãe o acompanhou primeiro a um hospital local e depois ao hospital Tabarre de MSF, no mesmo dia. Por dias, sobreviventes do terremoto do sul do Haiti continuaram a chegar à capital, Porto Príncipe, por meio do sistema nacional de ambulâncias, do transporte próprio ou por helicópteros e aviões que entraram rapidamente em serviço.

No bairro de Turgeau, em Porto Príncipe, MSF abriu um centro de emergência no dia do terremoto para estabilizar os pacientes que foram evacuados do sul do país. Nos primeiros oito dias, o centro tratou 133 sobreviventes do terremoto e 152 outros pacientes. Oitenta e dois pacientes foram encaminhados a hospitais locais para tratamento adicional ou cirurgia. Vinte e sete desses pacientes foram encaminhados ao hospital Tabarre de MSF, especializado em traumas graves ou queimaduras.

Quando ocorreu o terremoto, a maioria dos leitos do hospital de Tabarre já estava ocupado com os pacientes regulares. O hospital então recebeu um total de 70 sobreviventes do terremoto em questão de dias, 48 deles foram admitidos para cirurgia ou outro tratamento. As necessidades excederam a capacidade normal do hospital de 70 leitos, e a equipe convocou seu plano de desastres - implantação de 19 leitos adicionais em áreas cobertas do pátio e em outras partes do edifício.

Em Tabarre, Widnika foi submetida a uma cirurgia. Os ossos da perna agora são mantidos no lugar por um fixador externo - uma haste médica instalada fora de sua canela - enquanto começam a crescer novamente. Widline expressa apreço pelo cuidado dispensado ao filho e tristeza com a perspectiva de retornar a uma casa que foi destruída. Sua cidade, Camp-Perrin, fica a cinco horas de carro de Porto Príncipe em tempos normais, mas agora as estradas estão danificadas em toda a região, tornando qualquer viagem muito mais difícil.

Os muitos desafios que os pacientes e suas famílias enfrentam - problemas médicos, psicológicos e práticos - representam complicações para a equipe do hospital, que é responsável por garantir que os pacientes recebam os cuidados de que necessitam nas próximas semanas e meses. No sul do Haiti, muitos hospitais estão danificados e, por enquanto, incapazes de fornecer os cuidados de acompanhamento de que muitos sobreviventes do terremoto precisam.

"Estamos entrando em contato com outras organizações para garantir que essas pessoas possam continuar com a fisioterapia e os cuidados psicológicos quando nossos pacientes retornarem às suas comunidades", explica a dra. Kanoute Dialla, coordenadora de MSF no hospital Tabarre. “É essencial que os pacientes com fraturas ósseas tenham consultas médicas regulares para monitorar como seus ossos estão cicatrizando e fazer ajustes, se necessário. Devemos avaliar se os hospitais têm capacidade para radiografias e outros aspectos desse atendimento”.

Também existem muitos desafios logísticos. Viajar do sul do Haiti de volta a Tabarre seria muito difícil, pois as estradas foram fortemente danificadas por deslizamentos de terra. Muitos sobreviventes do terremoto têm deficiências temporárias ou permanentes como resultado de seus ferimentos, tornando essas viagens ainda mais árduas.

Elvie Pierre, assistente social do hospital Tabarre, mantém os pacientes conectados com suas famílias, que são uma fonte crucial de apoio emocional. "Alguém sabe que você está no hospital?", ela pergunta regularmente, pegando seu telefone se uma chamada for necessária. À medida que as condições dos pacientes melhoram e eles se preparam para receber alta, ela pergunta se eles têm parentes com quem podem ficar na cidade enquanto continuam o tratamento ambulatorial.

No entanto, permanecer em Porto Príncipe por um longo prazo não é uma opção para alguns pacientes. Muitos deles, chegando após horas de viagem, não conhecem ninguém na cidade. Os alojamentos em Porto Príncipe costumam ser bem pequenos, observa Pierre, e pode ser difícil para os parentes acomodar uma pessoa a mais. MSF ergueu uma tenda no complexo do hospital para pacientes que receberam alta e não podem ficar em outro lugar.

“Tendo em vista que o atendimento aos pacientes com traumas deve continuar com bom acompanhamento pós-operatório, fisioterapia, apoio psicológico, nossas equipes querem ter a certeza de que tudo estará montado no Sul antes que nossos pacientes voltem para lá”, explica o dr. Alain. Ngamba, coordenador médico de MSF no Haiti. "Antes de encontrar mais soluções de longo prazo, planejamos manter alguns pacientes aqui em Porto Príncipe, fornecendo suas acomodações para permitir que continuem seus cuidados em nosso hospital em Tabarre".

Equipes de emergência de MSF também estão tratando sobreviventes do terremoto em áreas afetadas do Sul, incluindo as cidades de Jérémie e Les Cayes. Essas equipes ajudarão a avaliar se as instalações médicas na região podem fornecer cuidados de acompanhamento, diz Ngamba.

Para Widnika, as perguntas sobre quando retornar a Camp-Perrin e o que o espera lá ficam para outro dia. Enquanto ele está deitado em sua cama de hospital, ele momentaneamente abre seus olhos brilhantes e olha ao redor do quarto de hospital, encontrando o olhar de sua mãe antes de voltar a dormir.

Tal como acontece com muitos sobreviventes do terremoto, seu processo de cura está em andamento, mas pode ser longo. Alcançar uma recuperação completa dependerá de muitas formas de apoio e perseverança.
 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar