Você está aqui

Fugindo da guerra: “Seu coração fica partido ao ver as crianças assim”

30/11/2015
Rand, de 30 anos, conta que fugiu da guerra na Síria com a sua família após assistir à morte de três crianças durante um bombardeio a uma escola

Foto: Amber Alayyan/MSF

Rand, de 30 anos, de Damasco, na Síria, levou duas crianças à clínica da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Bapska, na fronteira entre a Sérvia e a Croácia, em setembro deste ano. Julie, de dois anos, estava gripada, e Ibrahim, de oito anos, que havia cortado seu lábio após cair de patinete, precisou que profissionais de MSF vissem seus pontos.

“Um dia, eu estava andando perto de uma escola, quando uma bomba imensa caiu sobre ela. Eu vi três crianças morrerem bem em minha frente. Eu disse ‘chega, é isso’. Eu não queria deixar o meu país, mas depois de quase cinco anos de guerra eu finalmente decidi que bastava. Fui embora de Damasco há um mês, e depois de duas semanas no Líbano comprei uma passagem para ir à Turquia.

Eu estou viajando como parte de um grupo, com alguns amigos dos meus pais. Há três crianças conosco, incluindo a Julie e o Ibrahim. É muito difícil para eles, que não entendem o que está acontecendo e estão sempre assustados. Eles dizem coisas do tipo: ‘A polícia virá para nos prender?’, e perguntam se vão morrer. Eles estão com muito medo de qualquer um que tenha uma arma ou esteja vestindo roupas de exército, ou de qualquer barulho alto. Eles dão pulos e nós temos de lembrá-los que não estamos mais na Síria. Eu não tenho nenhum filho, e agradeço a Deus por não precisar levar uma criança nessa viagem. Eu não suportaria ver um filho meu sentado à beira da estrada precisando de alimentos, aconchego, descanso.

A saída de barco da Turquia foi um dos momentos mais assustadores para as crianças. Elas choraram durante todo o caminho. Elas começaram a rezar e nos disseram que estavam fazendo aquilo para garantir que iriam para o céu se morressem. Elas choraram muito ontem. Quando cruzamos a fronteira ontem à noite, eram 23 horas, e tivemos de andar ao longo de uma estrada entre fazendas. Estava muito escuro e as crianças acharam a caminhada muito difícil. Com a estrada está molhada, elas choravam e escorregavam, caindo no chão. Nós dormimos em uma tenda estruturada pelo exército. Não havia alimentos, água nem luz. Nós pedimos cobertas para os bebês e, embora os soldados fossem muito gentis, disseram-nos que não tinham nada. Havia um acampamento em melhores condições não muito longe, mas não conseguíamos mais andar porque as crianças estavam famintas e chorando. Seu coração fica partido ao ver as crianças assim.”

Leia mais sobre