Você está aqui

Falta de segurança leva MSF a suspender atividades em Kandahar, Afeganistão

08/12/2003
Violência contra trabalhadores de ajuda humanitária no Afeganistão ameaça as ações de organizações que têm como princípio a neutralidade. Recentes ataques contra esses profissionais no Afeganistão são inaceitáveis e devem ser fortemente condenados.

Diante dos recentes ataques contra profissionais de ajuda humanitária, a organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) decidiu suspender suas atividades no campo de Zhare Dasht próximo a Kandahar, sul do Afeganistão.

MSF vem oferecendo assistência básica de saúde no campo que abriga 40.000 pessoas deslocadas, atendendo uma média de 7.500 por mês. Recentemente MSF respondeu a um grande surto de diarréia. Com a chegada do inverno, o número de casos de infecções pulmonares, incluindo pneumonia, está crescendo dramaticamente.

Para as pessoas mais vulneráveis do campo de Zhare Dasht, uma infecção pulmonar representa uma ameaça grave à vida. Além da falta de serviços de saúde, com a retirada de MSF, a população perde o acesso a assistência materna e neonatal e a imunizações consideradas vitais para crianças e mulheres grávidas. MSF também administrava um centro de alimentação para crianças desnutridas.

O campo de Zhare Dasht fica situado no deserto a aproximadamente 20 km de Kandahar e não tem capacidade para se manter por conta própria. Os abrigados são completamente dependentes de ajuda externa. As crescentes ameaças aos profissionais de ajuda humanitária no sul do Afeganistão e a falta de acesso a serviços de saúde irão deixá-los diante de grande sofrimento e perigo.

MSF esta avaliando como continuar oferecendo assistência às pessoas deslocadas no sul do Afeganistão mesmo diante da crescente violência contra organizações de ajuda humanitária, e em meio a confusão de papéis entre trabalho humanitário e militar à qual todos os envolvidos têm contribuído. Diante dessas circunstâncias, a neutralidade das ações humanitárias está seriamente ameaçada e o risco para os profissionais de MSF que trabalham nos arredores de Kandahar alcançou níveis inaceitáveis. Ataques recentes contra os profissionais de ajuda humanitária no Afeganistão são inadmissíveis e devem ser fortemente condenados.

Como uma organização independente de ajuda humanitária, a decisão de MSF de trabalhar no Afeganistão está baseada nos princípios fundamentais da ajuda humanitária: oferecer assistência incondicional diante das necessidades humanas sem tomar partido no conflito. A independência política é a pedra fundamental da nossa ação. A segurança dos nossos profissionais e a nossa capacidade de oferecer assistência aos necessitados dependem disso.

Inúmeras ONGs já pediram a intervenção de forças militares sob o comando da OTAN – Organização Tratado do Atlântico Norte – para oferecer ‘segurança’ para suas operações e esta mensagem pode ter contribuído para a confusão dos papéis das ONGs como atores independentes e neutros.

No entanto, MSF enfatiza mais uma vez que este apelo não é pela intervenção de forças militares quer sejam das Forças de Coalizão, da OTAN ou do Governo Afegão, para garantir a segurança dos nossos profissionais. O apelo de MSF é para que todas as partes envolvidas no conflito respeitem a neutralidade e a imparcialidade dos profissionais de ajuda humanitária enquanto nos esforçamos para oferecer assistência às pessoas mais necessitadas no Afeganistão.

Leia mais sobre