Você está aqui

Ebola, um ano de resposta ao surto na República Democrática do Congo

01/08/2019
Na RDC, novas ferramentas de combate ao surto ainda não são suficientes para contê-lo
Ebola, um ano de resposta ao surto na República Democrática do Congo

Foto: MSF

No momento em que o pior surto de Ebola na história da República Democrática do Congo (RDC) entra em seu segundo ano, o número de novos casos registrados da doença a cada semana gira em torno dos níveis mais altos desde o início da epidemia. Em julho, entre 80 e 100 pessoas foram diagnosticadas com a doença a cada semana. O surto também continua a se espalhar geograficamente. Uganda viu seus primeiros pacientes com Ebola em junho, embora eles tenham vindo da RDC ; Goma, uma cidade de 1,5 milhão de habitantes na RDC, registrou seu segundo caso apenas nesta semana. 

Após a declaração da epidemia em 1 de agosto de 2018, foi lançada uma resposta em massa, auxiliada por ferramentas que não existiam ou eram muito limitadas em surtos de Ebola anteriores, como uma vacina e tratamentos em desenvolvimento.

Apesar disso, o surto parece estar indo na direção errada e, em julho, foi declarada uma emergência de saúde pública de preocupação internacional. Desde agosto passado, o Ebola já infectou mais de 2.600 pessoas e matou 1.700 na RDC.

Um ano depois, devemos rever o que deve ser feito para acabar com o surto.

Atuação de MSF na resposta ao Ebola na RDC

 

Construindo confiança em meio à insegurança

A insegurança é frequentemente mencionada como um dos principais desafios para a resposta ao Ebola. O nordeste da RDC tem sido uma área de conflito ativo nos últimos 25 anos e está repleto de grupos armados.

Paralelamente, os profissionais de saúde que fazem parte da resposta ao Ebola ainda não têm a confiança das pessoas. Eles foram especificamente direcionados, às vezes resultando em atividades cruciais, como rastreamento de contatos, investigação de alertas ou campanhas de vacinação a serem suspensas, limitadas ou canceladas.

MSF sabe muito bem disso. Em fevereiro, os centros de tratamento de Ebola de Katwa e Butembo foram atacados, forçando MSF a retirar suas equipes desses centros.

O Ebola é altamente letal, mal compreendido e, muitas vezes, torna-se tema de teorias conspiratórias que provocam um sentimento de rejeição. Como o surto está concentrado em uma região onde há muito apoio à oposição política, a ação das autoridades do país é vista com suspeita. O cancelamento das eleições presidenciais em Beni e Butembo, com o surto em curso sendo citado como o motivo, piorou ainda mais a tensão.

A maciça mobilização de recursos financeiros e humanos associados à resposta ao Ebola marca um contraste impressionante com a negligência que esta região sofreu ao longo das décadas. As atividades de MSF nesta região volátil são anteriores à epidemia de Ebola e estivemos presentes e respondemos a crises recorrentes ligadas à violência generalizada, malária endêmica, surtos de sarampo ou cólera, nenhum dos quais gerou um senso semelhante de urgência. Isso aumenta a crença generalizada de que os interesses mais importantes da população não são a resposta ao Ebola.

Sabemos que nós, que respondemos à epidemia, ainda não conseguimos conquistar a participação da população na resposta. Até agora, cerca de um terço das mortes relacionadas ao Ebola foram diagnosticadas apenas após a morte, destacando o elevado número de pessoas que evitam unidades dedicadas ao Ebola. Há muito mais que deve ser feito para se envolver construtivamente com a comunidade para melhorar a resposta.

 

Integrando a resposta ao Ebola

Configurados como um “sistema paralelo”, os centros de tratamento e trânsito de Ebola são separados das unidades de saúde com as quais as pessoas estão familiarizadas. Como resultado, eles parecem envoltos em mistério; vistos como lugares onde as pessoas vão morrer, uma vez separadas de suas famílias. O trabalho de resposta deve mostrar mais sensibilidade com as preocupações, medos e costumes da população em cuidar dos doentes e respeitar os mortos. Precisamos criar condições que levem a uma maior confiança mútua e colaboração positiva. Isso é fundamental se quisermos controlar a epidemia.

As equipes de MSF estão trabalhando para colocar os pacientes no centro dessa resposta, adaptando-se às necessidades e expectativas da população, incluindo suas preferências em termos de prestação de cuidados de saúde. Os pacientes devem estar no centro da abordagem e devem ter uma escolha sobre a forma como suas necessidades de saúde são gerenciadas.

Isso começa reconhecendo que o Ebola está longe de ser a única, ou mesmo a principal, preocupação para muitas pessoas nessa região. De fato, 90% dos pacientes admitidos ao longo do ano tiveram resultados negativos para o Ebola e provavelmente sofreram com outra doença. No entanto, esses centros devem melhorar sua capacidade de oferecer atendimento individualizado e de qualidade durante o período de espera pelos resultados dos exames de Ebola. O acesso aos cuidados gerais de saúde é uma questão muito mais ampla que precisa ser abordada. Além disso, sabemos que muitas pessoas que apresentam sintomas de Ebola continuam a procurar atendimento médico em unidades com as quais já estão familiarizadas. No entanto, essas instalações foram muitas vezes enfraquecidas pela realocação de sua equipe para a própria resposta ao Ebola. É por isso que MSF trabalhou para uma resposta integrada ao Ebola, incorporando atividades relacionadas em centros de saúde locais e hospitais gerais e investindo em cuidados básicos de saúde, triagem e isolamento, higiene e saneamento nessas instalações. Isso significa melhorar a prestação de cuidados para outras necessidades de saúde, como trauma, malária ou sarampo, e aumentar a proximidade desses serviços para a comunidade.

Espera-se que isso promova a aceitação de atividades relacionadas ao Ebola por parte da população e incentive a notificação prévia de sintomas e a identificação de casos suspeitos. Os resultados são até agora encorajadores: durante o mês de julho, 10% dos pacientes internados em um centro de tratamento Ebola em Beni foram encaminhados para lá de um centro de saúde apoiado por MSF – essa porcentagem é maior do que a de pacientes encaminhados de centros de trânsito dedicados ao Ebola.

 

A vantagem das vacinas disponíveis

Ao contrário do surto de Ebola na África Ocidental em 2014-16, a recente vacina rVSV-ZEBOV está muito mais acessível agora. Mais de 170 mil pessoas receberam a vacina durante este surto através de uma abordagem de "vacinação em anel", que tem como alvo os contatos de pacientes com Ebola confirmados e profissionais que estão na linha de frente da resposta. No entanto, os crescentes desafios no rastreamento e acompanhamento dos contatos de pacientes confirmados significam que muitas pessoas que são elegíveis para receber a vacina podem não estar recebendo.

Além disso, o estoque desta vacina tem sido limitado e há especulações sobre escassez de oferta, após doses de rVSV-ZEBOV terem sido fracionadas em maio. Isso limitou a capacidade dos atores de rever e melhorar a estratégia de vacinação, embora a expansão da disponibilidade da vacina em áreas de surtos ativos possa ter um impacto significativo na redução de sua disseminação. 

Por esta razão, precisamos de transparência sobre a disponibilidade real da rVSV-ZEBOV – não apenas em termos de quantidades globais, mas também do cronograma de nova produção, local de armazenamento e destino das doses adicionais.

Se dúvidas sobre sua disponibilidade futura persistirem, pedimos às autoridades congolesas que reconsiderem sua oposição ao uso de uma segunda vacina para conter o surto.

À medida que o surto entra em seu segundo ano, MSF dará prioridade ao trabalho em estreita colaboração com as comunidades para oferecer assistência médica àqueles que precisam. Além disso, se esforçará para derrubar as barreiras da desconfiança que estão contribuindo tanto para a propagação do Ebola quanto para um maior impacto potencial no cuidado a outras doenças.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar