Você está aqui

Ebola: “Sabíamos que tínhamos que agir rapidamente”

14/09/2018
O enfermeiro Patient Kamavu conta como foi trabalhar na resposta ao surto de Ebola na RDC
Ebola: “Sabíamos que tínhamos que agir rapidamente”

Foto: Caitlin Ryan

Patient Muhindo Kamavu foi um dos quatro primeiros enfermeiros experientes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) que trabalharam junto ao Ministério da Saúde na resposta ao surto de Ebola, declarado em 1º de agosto deste ano, em Mangina, Kivu do Norte, na República Democrática do Congo (RDC). Veterano de ambos os surtos de Ebola deste ano, Patient terminou seu trabalho em Mangina e foi a Butembo, onde está ajudando a estruturar a resposta para casos positivos diagnosticados na cidade de cerca de um milhão de moradores.

“No dia 2 de agosto, recebi uma ligação dizendo que um surto de Ebola tinha mais uma vez começado na RDC e MSF estava pronta para responder à situação. Como eu já tinha trabalhado em outros surtos de Ebola, eles me perguntaram se eu estaria disposto a participar da resposta. 'Claro', eu disse. 'Estou disponível. Vamos.' E, menos de 48 horas depois, eu estava embarcando em um avião.

Nossa equipe de quatro enfermeiros chegou a Beni em 4 de agosto e, naquela tarde, seguimos direto para Mangina, até o centro de saúde local, localizado no epicentro do surto. Sabíamos que tínhamos que agir rápidamente. Quando chegamos, vimos que o centro estava sobrecarregado. Eles estavam fazendo o melhor que podiam, mas os pacientes estavam todos juntos em uma ala do hospital e não estavam adequadamente isolados. A equipe e os visitantes entravam e saíam. Havia caixas e equipamentos médicos no chão. Alguns profissionais de saúde estavam doentes e o número de pacientes aumentava a cada dia.

Isso já seria ruim em uma clínica normal, mas, durante um surto de Ebola, é perigoso. Sem a devida higiene, a equipe de saúde pode facilmente se infectar e depois disseminar o vírus para os pacientes que recebem outros tratamentos no centro.

Ficou claro que não podíamos esperar que o centro de tratamento de Ebola estivesse pronto. O centro de saúde estava sobrecarregado e as pessoas estavam morrendo. Voltamos a Beni, preparamos alguns materiais e voltamos ao centro de saúde em Mangina.

Eu não diria que estávamos com medo de entrar, mas, sim, um pouco nervosos. As condições de trabalho eram inseguras, mas vimos pessoas morrendo, então sabíamos que precisávamos ajudar.

Na época, a equipe local estava usando apenas equipamentos de proteção de luz. Então, a primeira coisa que fizemos foi dar ao pessoal o equipamento de proteção certo e ensiná-los como usar, vestir e tirar.

A partir daí, estabelecemos imediatamente um circuito fixo para funcionários e pacientes no centro. Fluxos de pacientes e processos adequados são vitais para o tratamento. Isso reduz o risco de contaminação cruzada e torna o trabalho mais seguro para todos.

Parte desse processo é estabelecer uma ordem definida para o dia. Organizamos rodadas regulares e assegurávamos que houvesse alguém presente dia e noite. Colocamos três funcionários na triagem, na frente do hospital, e os treinamos para identificar os pacientes que poderiam estar infectados com o vírus. Os pacientes suspeitos devem ser isolados antes que possam entrar nas enfermarias gerais e disseminar a infecção para os funcionários ou outros pacientes. 

Também tentamos criar uma análise de casos para todos que passassem pela triagem com sintomas semelhantes aos do Ebola. Garantimos que os formulários com detalhes de contato fossem preenchidos, para que as equipes que trabalham na comunidade pudessem monitorar os contatos e entender como o vírus estava se espalhando.

Felizmente, depois de alguns dias, os reforços de MSF chegaram. Agora poderíamos nos concentrar no atendimento aos pacientes, enquanto nossa equipe de logística e de água e saneamento trabalhava dia e noite para concluir o centro que cuidaria dos pacientes de maneira segura. Foi incrível. Visitamos o local (cerca de 300 metros do centro de saúde) apenas um dia depois e vimos o início de um hospital totalmente diferente.

No dia em que nos mudamos para o centro de tratamento de Ebola, recebemos 37 pacientes e nos dias que se seguiram recebemos muitos mais. Mas na semana passada recebemos oito pacientes, dois dias atrás, cinco, e hoje, apenas dois.

Quando vemos pacientes saindo curados, nós dançamos. Ficamos tão felizes. Estou muito orgulhoso do trabalho que fizemos. Tem sido difícil, mas conseguimos bons resultados. Meu Congo está cheio de pessoas que são capazes de fazer coisas incríveis. Nós só precisamos de apoio. Começamos com quatro enfermeiros experientes e agora treinamos 44. Eles são o fruto do nosso trabalho e tenho muito orgulho disso."

Leia mais sobre