Você está aqui

Ebola: reflexões depois de um ataque

09/03/2020
Trish Newport, coordenadora de emergências de MSF, fala sobre a como a resposta de emergência ao Ebola precisou ser adaptada
Ebola: reflexões depois de um ataque

Foto: Samuel Sieber/MSF

Após um ataque armado a um centro de tratamento de Ebola na República Democrática do Congo, os trabalhadores humanitários foram forçados a repensar suas ações no contexto da epidemia de Ebola

 "O hospital está sob ataque!"

Esta foi a primeira coisa que ouvi quando peguei meu telefone em 27 de fevereiro de 2019, enquanto estava em Genebra. Acabara de voltar da República Democrática do Congo (RDC), onde estava coordenando a resposta de MSF à epidemia de Ebola. A pessoa que me ligava estava no Centro de Tratamento de Ebola (CTE) na cidade de Butembo, com capacidade para 96 leitos, quando homens armados arrombaram a porta principal e abriram fogo. Antes de partir, eles incendiaram a estrutura.

No momento do ataque, mais de 50 pacientes estavam no centro. Todos eles fugiram. Os 60 profissionais de MSF que trabalhavam lá também fugiram. As equipes e pacientes se esconderam em prédios próximos e na floresta circundante.

Como MSF não podia mais garantir a segurança de seus pacientes e profissionais, no dia seguinte ao ataque, evacuamos todos os nossos profissionais de Butembo e arredores. Foi uma decisão difícil, especialmente para nossos pacientes, mas não tínhamos outra alternativa.

Comunidades no centro de nossa ação

À luz desses eventos, fomos levados a repensar nossa abordagem e tomamos a decisão de, a partir de então, responder principalmente às prioridades da população em termos de saúde e iniciar atividades apenas com o apoio total da comunidade.

Começamos construindo poços. Oferecemos acesso ao tratamento não apenas para o Ebola, mas também para outras doenças fatais que assolam a região: diarreia, malária e infecções respiratórias. E quando construímos os CTEs, prestamos atenção especial à comunidade envolvida no projeto e na instalação. Enquanto costumávamos construir esses centros de tendas, nossas novas estruturas foram projetadas de acordo com os desejos das comunidades: algumas parecem chalés, outras parecem centros de saúde com os quais estavam familiarizados.

Como resultado, as comunidades assumiram os centros de Ebola. As pessoas começaram a aceitar o isolamento e começaram a ir para o CTE por conta própria assim que os primeiros sintomas apareceram. Isso resultou em uma redução drástica no número de casos de Ebola na população.

A resposta à epidemia de Ebola na RDC, foi liderada pelo governo congolês com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). Todas as organizações envolvidas na resposta ao Ebola, incluindo organizações internacionais como MSF, concordaram em trabalhar com a resposta.

No início da epidemia, em agosto de 2018, os atores da resposta agiram de acordo com o modelo clássico de ação de emergência.  Ninguém teve tempo para conversar com as comunidades afetadas, estabelecer uma relação de confiança ou considerar o fato de que a epidemia estava se espalhando em uma região atormentada por conflitos nos últimos anos, que haviam massacrado sua população civil. Milhões de dólares foram investidos no sistema humanitário em resposta ao Ebola. No entanto, o número de casos continuou a aumentar e a doença se espalhou para novas áreas.

Com o tempo, os atores humanitários começaram a se aproximar da comunidade, a trabalhar em colaboração com as populações locais.
Mas, ao mesmo tempo, certas decisões continuaram prejudicando a confiança das comunidades, como o uso de escoltas armadas, o isolamento forçado de pacientes confirmados e a instalação de pessoal armado em estabelecimentos de saúde.

Essas medidas não apenas atrasaram o fim da epidemia, mas também fizeram as pessoas relutarem em comparecer a serviços regulares de saúde por medo de serem identificadas como casos suspeitos de Ebola.

Apesar de todos esses obstáculos, o número de casos de Ebola acabou diminuindo e, esperançosamente, a epidemia chegará ao fim em breve.

Devemos comemorar o fim da epidemia? Devemos considerar a resposta ao Ebola um sucesso? Já não tenho tanta certeza. Receio que, no final, as várias organizações envolvidas na resposta se felicitem dizendo que a epidemia terminou graças à maneira como a administraram, quando na verdade isso irá acontecer a despeito delas. A resposta a esta epidemia de Ebola corre o risco de criar um precedente preocupante para o gerenciamento de futuras epidemias, padronizando o uso da coerção, os militares e a presença de pessoal armado nos estabelecimentos de saúde, em detrimento do tratamento dos pacientes, respeito à sua dignidade e envolvimento em decisões relacionadas à sua saúde.   

Nunca esquecerei a ligação de Butembo, em fevereiro de 2019 . É horrível ouvir seus próprios colegas – na verdade, sua família – estar sob fogo. Nunca esquecerei a dor de ter evacuado nossas equipes de Butembo, deixando as pessoas vulneráveis para trás. Mas sempre me lembrarei do impacto das mudanças que fizemos após o ataque: trabalhando com as pessoas e para as pessoas que cuidamos. Espero que as lições que aprendemos guiem todas as nossas próximas respostas de emergência de MSF.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar