Você está aqui

Ebola: profissional de MSF é internado em hospital dos Estados Unidos

27/10/2014

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirmou hoje que um de seus funcionários estrangeiros que recentemente retornou de Guiné  apresentou resultado positivo no teste de febre hemorrágica Ebola.


O  integrante da equipe, um cidadão americano, foi colocado em isolamento na quinta-feira, 23 de outubro, no Hospital Bellevue, em Nova Iorque, depois de apresentar febre. De acordo com as orientações específicas que Médicos Sem Fronteiras oferece aos seus profissionais sobre como proceder no retorno de projetos de Ebola, ele acompanhou regularmente seu estado de saúde e relatou os primeiros sintomas a MSF imediatamente. O Departamento de Saúde e Higiene Mental da cidade de Nova Iorque foi imediatamente informado e está envolvido na gestão do tratamento. Na noite de quinta-feira, os primeiros exames laboratoriais confirmaram a infecção Ebola.

"Os profissionais de MSF enviados para países afetados pelo Ebola seguem procedimentos extremamente rigorosos antes, durante e depois de trabalharem nos projetos ", disse Sophie Delaunay, diretora-executiva de MSF-Estados Unidos. "Apesar dos protocolos rigorosos, o risco não pode ser completamente eliminado. Contudo, o monitoramento  depois que eles retornam, permitem a detecção precoce de casos de infecção, o isolamento rápido e tratamento médico adequado. "


Assim que ele apresentou febre, o membro da equipe de MSF foi imediatamente isolado e encaminhado para o Hospital de Bellevue. Enquanto o paciente não desenvolve sintomas, o risco de contágio é quase zero. O Ebola não é um vírus transmitido pelo ar, como a gripe, ele só é transmitido através do contato direto com fluidos corporais, como sangue ou vômito.


As circunstâncias sob as quais o membro da equipe contraiu Ebola ainda não foram determinadas. Uma investigação completa está em andamento por MSF.


Desde março, 24 profissionais de MSF que trabalhavam no combate ao surto de Ebola na Guiné, Libéria e Serra Leoa - três estrangeiros e 21 locais – foram infectados. Infelizmente, treze faleceram. As investigações demonstram que, até o momento, a maioria das infecções ocorreu fora das instalações médicas de MSF.


"Tragicamente, conforme lutamos para controlar o surto de Ebola na África Ocidental, alguns membros da nossa equipe não têm sido poupados",  disse Delaunay. "Nossos pensamentos estão com o nosso colega, que agora enfrenta a sua própria luta. Esperamos sinceramente que sua recuperação seja rápida e completa."
Por razões de confidencialidade médica, e para preservar a privacidade do profissional e da sua família, MSF não fará qualquer comentário adicional neste momento.


Mais de 3 mil profissionais de MSF estão trabalhando na África Ocidental, incluindo cerca de 270 estrangeiros. No total, MSF enviou mais de 700 funcionários internacionais para a região. MSF está respondendo ao surto de Ebola na África Ocidental desde março de 2014 e continua comprometida com esta luta extramente desafiadora.

Uma resposta internacional começou a ser mobilizada para conter a epidemia na  origem e muito mais precisa ser feito, o mais cedo possível, para isolar e tratar o número crescente de pacientes.