Você está aqui

Dez anos após o terremoto, as estruturas de saúde do Haiti estão à beira do colapso

09/01/2020
Relatório descreve os desafios recentes enfrentados pelos profissionais de saúde e pacientes no Haiti hoje
Dez anos após o terremoto, as estruturas de saúde do Haiti

Foto: Kadir Van Lohuizen

Dez anos após o terremoto que devastou o Haiti, a organização médica humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) publica um relatório destacando a deterioração das instalações médicas em um sistema de saúde à beira do abismo.

"Este terremoto catastrófico matou milhares de pessoas, deslocou milhões de homens, mulheres, crianças e destruiu 60% do sistema de saúde haitiano que já estava com problemas antes do terremoto", disse Hassan Issa, coordenador-geral de MSF no Haiti. "Dez anos depois, a maioria dos escombros foi limpa, a população conseguiu voltar para casa, novos hospitais foram construídos e a maioria dos trabalhadores humanitários médicos deixou o país. Mas o sistema de saúde haitiano está mais uma vez à beira do colapso, preso em uma crescente crise política e econômica. É necessário agir para priorizar os cuidados ".

Em 12 de janeiro de 2010, o terremoto de magnitude 7,0 que atingiu o Haiti deixou milhares de mortos e feridos, milhões de desabrigados e dizimou muitas infraestruturas no país. MSF, presente no Haiti desde 1991, não foi poupado: 12 profissionais foram mortos e dois dos três centros médicos apoiados por MSF ficaram gravemente danificados. Em resposta às necessidades urgentes e imensas da população, MSF organizou uma de suas maiores operações de emergência já realizadas, atendendo a mais de 350.000 pessoas afetadas pelo terremoto em apenas 10 meses.

O relatório Haiti 10 anos depois, destaca as dificuldades na operação de instalações médicas em um contexto de conflito político e econômico que afetou o país. Desde o aumento do preço do combustível em julho de 2018, que desencadeou a crise, as instalações médicas têm se esforçado para fornecer serviços básicos devido à escassez de medicamentos, oxigênio, sangue, combustível e pessoal.

 "O apoio internacional recebido pelo país ou prometido após o terremoto praticamente desapareceu ou nunca se materializou ", declarou Sandra Lamarque. "A atenção da mídia também foi desviada à medida que a vida cotidiana da maioria dos haitianos se torna cada vez mais precária devido à inflação descontrolada, falta de perspectivas econômicas e surtos regulares de violência".

Em 2019, o país permaneceu bloqueado várias vezes por várias semanas (situação qualificada localmente como “peyi lok”). As ruas foram fechadas por barricadas de pneus e cabos, constituindo muros reais construídos durante a noite. Esses protestos impediram o movimento de ambulâncias, profissionais de saúde, suprimentos médicos e pacientes.

À medida que a agitação econômica e a tensão política se intensificaram, as instalações médicas - incluindo as administradas por MSF - tiveram dificuldade em atender às necessidades dos pacientes. Em 2019, o centro de estabilização de emergência de MSF na região de Martissant, em Porto Príncipe, recebeu uma média de 2.450 pacientes por mês, 10% dos quais foram feridos a bala, lacerações ou outras lesões causadas por violência. O hospital de MSF no distrito de Drouillard, em Porto Príncipe, a única instituição de assistência médica no país para pessoas gravemente queimadas, sofreu um pico de atividade em setembro, quando admitiu um total de 141 pacientes sofrem queimaduras graves, causadas principalmente por acidentes. Em Delmas, onde MSF administra um programa para vítimas de violência sexual, o número de pacientes diminuiu durante esse período de aumento da violência, simplesmente porque era muito difícil acessar o estabelecimento.

Nas áreas rurais, como Port-à-Piment, no sudoeste do Haiti, onde MSF há muito apoia serviços de saúde materna e de emergência na região, o efeito da crise no sistema de saúde haitiano é tão óbvio. Em casos graves, quando a hospitalização é necessária, MSF tem dificuldade em encontrar um estabelecimento aberto para encaminhar seus pacientes. O hospital de referência e o banco de sangue do Departamento do Sul fecharam em outubro passado depois de serem saqueados. Eles ainda não estão totalmente funcionais. Para alguns pacientes gravemente enfermos, pode levar até 5 horas para encontrar um hospital que possa aceitar esses casos. No norte do país onde MSF se preparava para abrir duas estruturas de atendimento às vítimas de violência sexual, as atividades não puderam começar devido à falta de combustível e ao difícil acesso.

Em resposta ao agravamento da crise, MSF iniciou novos projetos para tratar pacientes que o sistema médico haitiano não pode atender. Em novembro de 2019, MSF reabriu um centro de trauma de 50 leitos no distrito de Tabarre, em Porto Príncipe. Durante as primeiras cinco semanas, o centro de trauma tratou 574 pacientes, mais da metade dos quais foram baleados. Cento e cinquenta pessoas com ferimentos fatais foram admitidas. A organização também aumentou sua ajuda ao Ministério da Saúde doando equipamentos e materiais médicos, reabilitando instalações, treinando a equipe do principal hospital público de Porto Príncipe e apoiando um hospital em Port Salut, no departamento sul, e 10 centros de saúde em todo o país.

Dez anos após o terremoto, a maioria dos trabalhadores médicos deixou o país, enquanto os haitianos lutam para ter acesso aos cuidados básicos de saúde. " Sabíamos que estávamos atendendo a uma necessidade de casos graves e urgentes, mas a situação é ainda pior do que imaginávamos. Outros atores precisam se mobilizar para atender às necessidades médicas atuais ", conclui Hassan Issa.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar