Você está aqui

Cuidados médicos para grupos vulneráveis em Paris e arredores durante a pandemia do novo coronavírus

03/04/2020
Equipes de MSF realizam consultas médicas gerais e triagem para detectar pacientes de COVID-19
Cuidados médicos para grupos vulneráveis em Paris e arredores durante a pandemia do novo coronavírus

Foto: Agnes Varraine-Leca/MSF

Como parte da resposta médica à pandemia de COVID-19, que continua se espalhando por toda a França, as equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) começaram na semana passada a prestar atendimento a pessoas vulneráveis que estão confinadas em abrigos de emergência, em situação de rua ou instaladas em campos improvisados em Paris e nos subúrbios.

No dia 24 de março, mais de 700 migrantes que foram forçados a sair de um acampamento em Aubervilliers, nos subúrbios de Paris, foram levados a ginásios e hotéis, sob responsabilidade da Prefeitura de Paris, onde ficarão confinados até que o bloqueio seja suspenso. A pedido da Agência Regional de Saúde, as equipes de MSF visitaram seis desses abrigos de emergência para realizar triagem e consultas médicas para detectar pacientes de COVID-19. Das 338 pessoas que foram examinadas, 25 apresentavam sintomas do novo coronavírus. Agora, elas estão isoladas e sob supervisão médica.

Os abrigos de emergência permitem que as pessoas tenham um teto para dormir e facilitam o acesso a serviços essenciais, mas, ainda assim, elas correm riscos. Os espaços de convivência, como os ginásios, não são adequados para seguir as medidas básicas de proteção e de saúde necessárias para ajudar a conter a propagação do vírus. Além disso, em geral, é difícil garantir o isolamento de pessoas com sintomas da infecção – um risco ainda maior para pessoas com condições médicas pré-existentes, muitas vezes graves, e cuja saúde foi comprometida por anos de precariedade, violência e exclusão social.

Para evitar que esses espaços se tornem focos de contaminação do vírus – tanto para as pessoas que neles permanecem quanto para os assistentes sociais, profissionais de saúde e funcionários que os assistem –, as autoridades precisam encontrar outras soluções, como, por exemplo, quartos de hotel para acomodá-las. A quantidade de testes também precisa ser maior para que seja possível confirmar certos diagnósticos, especialmente para aqueles que correm maior risco de desenvolver formas mais graves da COVID-19.

Nossas equipes também estão tentando chegar até pessoas em situação de rua ou que moram em acampamentos em Paris e arredores, para oferecer cuidados médicos e de enfermagem. Essa assistência é prestada cinco dias por semana, porque a quarentena e outras medidas tomadas pela França para conter o vírus limita a capacidade de oferta de apoio médico e social a grupos vulneráveis. Nossas equipes tratam diversas condições médicas, o que permite que pessoas negligenciadas continuem recebendo cuidados e ajuda a evitar complicações de saúde. Se não tratadas antecipadamente, elas exigiriam tratamento em hospitais que estão operando no limite de sua capacidade, à medida que respondem à emergência de saúde.

No final de 2017, também começamos a prestar apoio a menores desacompanhados, fazendo apelos aos tribunais para que os reconheçam como menores de idade e que, consequentemente, eles tenham direito à proteção e aos serviços sociais voltado para crianças. Durante a pandemia de COVID-19 na França, esse apoio será mais médico.

Também continuamos estudando que ajuda poderíamos dar a hospitais e outras instalações particularmente impactadas pela crise de saúde da COVID-19. Nos colocamos à disposição para prestar assistência técnica, seja ajudando na gestão de influxos maciços pacientes ou na prevenção e controle de infecções, fornecendo equipe ou apoio logístico; e para estruturar unidades médicas improvisadas para que mais pacientes possam ser tratados.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar