Você está aqui

COVID-19 na França: testagem deve ser ampliada para pessoas mais vulneráveis

17/04/2020
Pandemia do novo coronavírus é uma emergência sanitária sem precedentes que desafia o sistema de saúde em Paris e nos subúrbios

No dia 24 de março, Médicos Sem Fronteiras (MSF) começou a apoiar as autoridades de saúde de Paris e subúrbios no combate à COVID-19. Emilie Fourrey, coordenadora da resposta médica na região, fala sobre nossas atividades.

“O surto de COVID-19 evidenciou as fraquezas do sistema de saúde francês e o seu nível de capacidade para responder a emergências sanitárias de grande escala. Mas também jogou luz às desigualdades no acesso à saúde, que prejudica os mais vulneráveis. É por isso que decidimos focar nossas atividades médicas em migrantes, pessoas em situação de rua e menores desacompanhados que tiveram seus apelos judiciais para serem reconhecido como menores de idade interrompidos.  

No geral, a comunidade médica da França uniu esforços para combater a COVID-19 e todo mundo está fazendo o que pode para ajudar. Os profissionais de saúde e as equipes dos hospitais são um exemplo. Todos estão fazendo um trabalho incrível e altamente recomendado.

Mas a pandemia de COVID-19 é uma emergência de saúde sem precedentes, que tem seus próprios problemas e desafios, igualmente sem precedentes. A testagem é um deles, assim como a triagem imediata de casos suspeitos em abrigos comunitários e seu encaminhamento para unidades que consigam fazer o isolamento apropriado.

Nossas equipes realizam, cinco dias por semana, atendimento por meio de clínicas móveis para pessoas em situação de rua e visitam abrigos permanentes e temporários – como aqueles que as autoridades construíram para acomodar as 700 pessoas que despejaram de um campo em Auberviellers, no dia 24 de março.

Desde o dia 7 de abril, também trabalhamos nos centros "COVID +", em Paris. Esses centros recebem pacientes da doença e pessoas com sintomas, que estão em situação de precariedade e não podem se isolar, seja porque estão vivendo na rua ou em abrigos coletivos.

Até o dia 13 de abril, já tínhamos realizado 426 exames médicos e identificado 125 casos suspeitos de COVID-19. Vinte e cinco pessoas testaram positivo.

No entanto, nos deparamos com vários obstáculos. Um dos principais é a falta de equipamentos de proteção para os profissionais médicos, que deveriam ser providos pelas autoridades de saúde.

Depois de conversar com as autoridades de saúde, conseguimos obter autorização para transferir pessoas que correm maior risco de desenvolverem complicações (por causa de sua faixa etária ou condições médicas pré-existentes, como doenças crônicas, obesidade ou pressão alta) para locais apropriados. Acreditamos que os mais vulneráveis devem ser encaminhados para hospitais e unidades de saúde apropriados, onde possam estar protegidos da COVID-19.

Assim como outras organizações, também estamos lidando com a falta de profissionais. Alguns dos nossos médicos estão trabalhando em hospitais, enquanto outros, por vários motivos, não podem estar em campo. Mesmo assim, em uma semana, conseguimos recrutar 15 pessoas para se juntarem à nossa equipe de resposta emergencial, e mais pessoas chegarão em breve.”

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar