Você está aqui

Cirurgia reparadora ajuda a restaurar funções vitais de vítimas de mutilação em Uganda

14/12/2005
Cirurgias serão realizadas por MSF e pela Fundação Interplast da Holanda. Os primeiros pacientes a serem beneficiados são aqueles cujas mutilações os impedem de levar uma vida normal, como os que perderam os lábios e têm dificuldades para comer e beber

A organização internacional Médicos Sem Fronteiras e a Fundação Interplast da Holanda começaram a oferecer cirurgia reparadora para civis mutilados durante os conflitos no norte de Uganda. Muitos habitantes da região foram mutilados – alguns inclusive tiveram lábios, orelhas, nariz ou dedos cortados – como parte da violência direcionada aos civis na região, nos últimos anos.

Em colaboração com cirurgiões reparadores, MSF facilitará a realização de cirurgias para um primeiro grupo de 12 pacientes esta semana. Nesta rodada de operações, indivíduos irão submeter-se a procedimentos cirúrgicos incluindo a reconstrução de lábios. Algumas das vítimas têm várias mutilações.

"Não há ofensa maior para o nosso senso de humanidade do que ver pessoas que foram deliberadamente e barbaramente desfiguradas. Quando tomamos conhecimento dessas vítimas de mutilação, algumas das quais haviam tido os lábios retirados, rapidamente nos demos conta de que a cirurgia reparadora poderia ajudá-las a reconquistar alguma qualidade de vida", disse Christine Schmitz, Coordenadora Geral de MSF em Uganda. "A equipe de MSF também oferecerá consultas psicológicas para que esses pacientes possam aprender a conviver com essas terríveis experiências".

"Selecionamos esses primeiros pacientes com base no fato de que as suas mutilações os impossibilitam de levar uma vida normal", explica Dr. Rein Zeeman, um cirurgião da Fundação holandesa Interplast. "Você tem que compreender que para uma pessoa sem lábios é quase impossível comer ou beber".

Como a maioria dos pacientes vai precisar de inúmeras intervenções cirúrgicas, MSF e Interplast vão organizar novas rodadas de cirurgias com intervalos de três a seis meses. Novos pacientes serão incluídos em cada uma delas.

As operações serão realizadas no Hospital Missionário de St. Joseph no distrito de Kitgum. O médico Rein Zeeman vai coordenar a equipe cirúrgica, formada por um cirurgião reparador de Uganda e um anestesista. MSF trabalhou com a Interplast para identificar os candidatos às cirurgias, e organizou a cooperação entre as duas organizações.

Os profissionais de saúde do hospital ajudaram a preparar as estruturas cirúrgicas e estão envolvidos nos cuidados pós-operatórios dos pacientes junto com médicos de MSF.

MSF é uma organização internacional de ajuda humanitária que oferece cuidados de saúde a vítimas de desastres naturais, de epidemias e conflitos armados, independente da raça, religião, crença ou convicção política.

MSF em Uganda

A organização trabalha em Uganda desde 1982 e tem hoje 67 profissionais estrangeiros e 900 ugandenses desenvolvendo projetos em seis distritos do país. Essas atividades incluem assistência humanitária em 20 campos de deslocados internos no norte de Uganda, tratamento e diagnóstico da malária, assim como de outras doenças como Aids e calazar (leishmaniose visceral).

Os projetos de saúde de MSF nos distritos de Gulu, Kitgum, Lira e Pader, no norte de Uganda, continuam oferecendo assistência a pessoas deslocadas que vivem em campos, embora o número de profissionais de MSF tenha sido reduzido e sua locomoção interna limitada devido aos recentes ataques sofridos por profissionais de ajuda humanitária e civis na região.

Interplast

A Fundação Interplast da Holanda realiza cirurgias reparadoras para crianças e adultos em países em desenvolvimento utilizando equipes formadas por experientes cirurgiões, assistentes de cirurgia, anestesistas e outros profissionais de saúde holandeses.

Leia mais sobre