Você está aqui

Centro de Ebola de Médicos Sem Fronteiras é desativado após ataque violento

26/02/2019
Combate à doença pode falhar se não for aceito por comunidades na República Democrática do Congo
Centro de Ebola de Médicos Sem Fronteira é desativado após ataque violento

Foto: MSF

Médicos Sem Fronteiras anunciou hoje a decisão de suspender as atividades de um Centro de Tratamento de Ebola em Kivu do Norte, na República Democrática do Congo (RDC). A medida foi adotada depois de um violento ataque, em 24 de fevereiro, quando a instalação foi parcialmente incendiada. A suspensão limitará severamente o acesso a serviços essenciais de saúde na região.

Às 10 da noite de 24 de fevereiro, agressores não identificados atacaram o Centro de Tratamento de Ebola mantido por Médicos Sem Fronteira na localidade de Katwa. Depois de atirar pedras nas instalações, eles incendiaram partes da estrutura e destruíram alas e equipamentos. O irmão de um paciente morreu enquanto supostamente tentava escapar do local. As circunstâncias exatas de sua morte não estão claras até o momento.
 
"Este ataque foi traumático para os pacientes, seus parentes e profissionais que estavam presentes no centro naquele momento", disse Emmanuel Massart, coordenador de emergência de MSF em Katwa. “Nós conseguimos transferir todos os quatro pacientes confirmados com a doença e seis com suspeita para centros de tratamento próximos, mas esse ataque prejudicou nossa capacidade de atuar no que é hoje o epicentro do surto.”

"Embora as razões por trás do ataque não sejam claras e essa violência seja inaceitável, o que sabemos é que os envolvidos nas ações de combate ao Ebola – inclusive MSF – não conseguiram conquistar a confiança de uma parte significativa da população", disse Meinie Nicolai, diretora-geral de MSF, atualmente visitando o Kivu do Norte. “Todos os envolvidos nesta resposta devem mudar sua abordagem e realmente se envolver com as queixas e medos das comunidades.”

Surtos anteriores de Ebola demonstraram a importância de ganhar a aceitação da comunidade. Sem a confiança das comunidades, os doentes e os mortos permanecem escondidos e os profissionais de saúde correm o risco de serem ameaçados ou agredidos.

Mais de seis meses após o início do surto de Ebola em Kivu do Norte e Ituri, a epidemia não está sob controle, com mais de 870 pacientes confirmados e mais de 540 mortes. Depois de algum sucesso em parar a transmissão nos epicentros iniciais de Mangina e Beni, e em algumas localidades secundárias como Tchomia, Mutwanga e Masereka, a epidemia se espalhou de 4 para 19 zonas de saúde. As pessoas continuam morrendo na comunidade, são infectadas nos centros de saúde e não tem sido possível relacionar a maioria dos novos casos a casos já conhecidos do Ebola.


As atividades de MSF no combate ao Ebola continuam em Butembo, Bunia, Bwena Sura, Kayna e Biena.  

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar