Você está aqui

Carta aberta: refugiados e comunidades anfitriãs da Tanzânia são muito vulneráveis à COVID-19

14/04/2020
A propagação do novo coronavírus no país pode ser devastadora
Carta aberta: refugiados e comunidades anfitriãs da Tanzânia são muito vulneráveis à COVID-19

Foto: Pierre-Yves Bernard/MSF

Sou o representante de Médicos Sem Fronteiras (MSF) na Tanzânia. Nossas equipes mantêm um hospital de 150 leitos e quatro centros de saúde no campo de refugiados de Nduta, perto da fronteira com o Burundi. Nduta é o lar de mais de 73 mil refugiados burundineses, que fugiram de suas casas devido à violência e instabilidade em 2015.

No campo de Nduta, nossa equipe de 800 funcionários e voluntários trabalha 24 horas por dia, tratando diariamente milhares de refugiados e a comunidade anfitriã, afetados por malária, infecções respiratórias agudas e diarreia, bem como aqueles com doenças crônicas pré-existentes e outros problemas de saúde significativos.

Como a única provedora de cuidados de saúde em Nduta, a principal preocupação de MSF desde o mês passado tem sido a vulnerabilidade dessas pessoas a um surto de COVID-19; a rapidez com que ele se espalharia no campo; e o quão fatal poderia ser para nossos pacientes com comorbidades, como HIV, doença falciforme e tuberculose.

Se não for controlada rapidamente, a disseminação da COVID-19 em Nduta poderá crescer exponencialmente em questão de semanas e levar a um número alarmante de mortes. Isso se deve em parte às condições de vida, uma vez que as pessoas ficam em abrigos precários, com acesso limitado a serviços que a maioria de nós considera padrão, como água e saneamento.

O luxo do autoisolamento e do distanciamento social adotado por algumas sociedades simplesmente não é viável em Nduta, onde mais de cinco membros de uma família dividem um quarto pequeno. Cenários assim tornam quase impossível a adoção das medidas de higiene. Em janeiro deste ano, nossas equipes médicas registraram um aumento crescente do número de pacientes com diarreia aquosa e infecções respiratórias, e atualmente temos quatro tendas médicas completamente ocupadas.

Um surto de COVID-19 nesse contexto pode levar a um número sem precedentes de pacientes com infecções graves, o que colocaria ainda mais pressão sobre o hospital de MSF e o sistema-geral de saúde no campo. Com a limitação dos cuidados hospitalares na região, as poucas instalações de isolamento disponíveis e uma escassez global de equipamentos de proteção individual, um surto em Nduta tornará excepcionalmente difícil uma resposta eficaz à COVID-19.  

Os refugiados burundineses na Tanzânia são o grupo de refugiados mais subfinanciado do mundo, de acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), enquanto a região de Kigoma, onde está Nduta, é uma das regiões mais pobres da Tanzânia. Consequentemente, os refugiados e a comunidade anfitriã são especialmente vulneráveis a um surto. Simplificando, se um surto de COVID-19 acontecer aqui, sua propagação pode ser impossível de ser contida.

As equipes de MSF em Nduta estão implementando medidas de preparação para emergência sob vários cenários, mas, com a escassez de suprimentos e equipe, não há muito que se possa fazer. Portanto, estamos fazendo um apelo à comunidade internacional para que garanta o apoio à resposta à COVID-19 aqui na Tanzânia, a fim de proteger os refugiados vulneráveis e a comunidade anfitriã. É urgentemente necessário que se amplie a capacidade de isolamento e tratamento, além de reforçar os testes em Kigoma. Esse grupo negligenciado de pessoas, que foi esquecido pelo mundo, precisa da nossa ajuda agora, antes que seja tarde demais.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar