Você está aqui

Burkina Faso: milhares de pessoas fugindo da violência precisam de ajuda

11/02/2019
Aumento da violência causou dezenas de mortes e deslocamento de milhares de pessoas
Burkina Faso: milhares de pessoas fugindo da violência precisam de ajuda

Foto: MSF/Caroline Frechard

"Nossas casas foram queimadas"

Machetes, armas, a fumaça de casas em chamas. Essas são as últimas memórias que muitos deslocados levaram consigo quando foram forçados a fugir de seus vilarejos na região centro-norte de Burkina Faso. "Eu estava na mata, foi lá onde eles me pegaram", diz Dicko, de 17 anos, ferido no ouvido e na cabeça. “Eles queriam saber onde meus amigos estavam se escondendo. Mas eu estava sozinho! Eles me atingiram com o facão e depois me derrubaram. Quando foram embora, eu corri para o vilarejo para encontrar meus pais. Nossa casa tinha sido queimada! Mas, felizmente, consegui reencontrar minha família. Andamos até chegarmos ao acampamento aqui, em Barsalogho.

Depois que a violência irrompeu na região, milhares de pessoas fugiram de seus vilarejos de repente, incapazes de levar qualquer coisa com eles. Eles foram para os vilarejos vizinhos de Foubé, Barsalogho ou Arbinda, Kelbo e Déou. O acampamento Barsalogho para deslocados internos foi montado às pressas, proporcionando abrigo para mais de 900 pessoas. Muitos deles, incluindo Dicko, viviam em pequenos vilarejos com suas famílias. Depois que fugiram, a mãe de Dicko curou suas feridas com água morna. Quando a família chegou ao acampamento, as equipes médicas limparam as feridas com soluções anti-sépticas para evitar a infecção.

 

"As necessidades são significativas"

No acampamento Barsalogho, as famílias moram em barracas instaladas pelo governo e cozinham com os poucos potes e panelas adquiridas graças à solidariedade local e às autoridades locais. Alguns sacos de milho se acumulam no meio do acampamento, junto com outros alimentos. Mas a água continua sendo um problema, pois não há nascente nas proximidades. Caminhões-tanque dirigem todos os dias para a cidade mais próxima de Kaya, localizada a mais de uma hora de distância do acampamento, para trazer de volta a água que pode ser distribuída aos habitantes do acampamento. Em outros locais onde as pessoas deslocadas chegaram, levou mais tempo para instalar os campos. Em Foubé, por exemplo, nem todas as tendas estão montadas. Cerca de 8 mil pessoas vivem nas proximidades do campo, o que aumenta o risco de casos de sarampo.

MSF está apoiando equipes de saúde locais para minimizar o risco de epidemia: mais de 2.100 crianças foram vacinadas contra o sarampo em Foubé durante o primeiro dia de uma campanha para vacinar 7 mil crianças. Outras 600 foram vacinadas em Barsalogho. No entanto, as necessidades ainda são significativas, de acordo com Idrissa Compaoré, coordenador médico de MSF em Burkina Faso. “Todos os atores envolvidos na resposta devem garantir que as populações deslocadas tenham acesso à água potável e que os campos mantenham um certo nível de higiene. Medicamentos essenciais devem estar disponíveis em quantidades suficientes e armazenados longe do calor e da poeira”, disse Compaoré. A cada semana, equipes médicas oferecem consultas a mais de 300 pessoas em Foubé e a mais de 200 em Barsalogho. Os pacientes sofrem principalmente de infecções respiratórias, malária e doenças parasitárias.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar