Você está aqui

Beirute: MSF presta apoio médico e de saúde mental às comunidades mais afetadas pela explosão

11/08/2020
Beirute: MSF presta apoio médico e de saúde mental às comunidades mais afetadas pela explosão

Foto: Mohamad Cheblak/MSF

Uma semana após a explosão devastadora que ocorreu em Beirute, capital do Líbano, em 4 de agosto, MSF está fornecendo suporte médico à população da cidade. As atividades estão concentradas no tratamento de ferimentos, na continuidade dos cuidados para pacientes com doenças crônicas e no apoio à saúde mental para pessoas afetadas pela explosão.

Dois pontos médicos fixos foram instalados nos bairros de Mar Mikhael e Karantina, as áreas mais afetadas pela explosão. Iniciamos a intervenção visitando as casas de porta a porta, para compreender as necessidades das pessoas que vivem na região, garantindo assim uma melhor assistência. Uma necessidade essencial apontada por elas nas entrevistas diz respeito à água e à higiene. Por isso, as equipes de MSF também instalaram tanques de água e estão distribuindo kits de higiene para as pessoas que vão até os pontos médicos fixos.

A poderosa explosão que aconteceu há uma semana atingiu os armazéns do porto de Beirute, causando a morte de mais de 150 pessoas e ferindo mais de 6.000. A primeira resposta à explosão veio do próprio povo do Líbano, que espontaneamente tentou fornecer ajuda e apoio aos mais afetados, usando todos os recursos mínimos disponíveis. A explosão gerou ondas sísmicas que sacudiram o solo, destruíram edifícios e estilhaçaram janelas em Beirute, uma cidade que já se recuperava de uma crise econômica e de um surto de infecções por COVID-19.

“Antes da explosão, o sistema público estava lutando para lidar com o número crescente de casos de COVID-19”, disse Julien Raickman, coordenador-geral do projeto de MSF no Líbano. “Desde então, houve um aumento muito acentuado nos casos relatados de COVID-19 no Líbano, especialmente em Beirute. Houve mais de 1.500 novos casos em uma semana. Isso representa quase 25 por cento de todos os casos notificados no país desde o início da pandemia. Na noite da explosão, houve um grande afluxo de pacientes às unidades de saúde em toda a capital, e as medidas de prevenção de infecção não puderam ser implementadas de forma adequada, o que acabou levando a esse aumento. Mais de 300.000 pessoas perderam suas casas e tiveram que encontrar outros lugares para ficar, o que não torna as coisas mais fáceis. Esse aumento de casos é uma grande preocupação para nós e estamos tentando ver a melhor forma de adaptar nossos projetos sob tais circunstâncias.

Outra área de preocupação para MSF é a saúde mental. “Após a guerra civil, crises econômicas e as recentes dificuldades financeiras e sociais, este último incidente adicionou uma camada extra de trauma para o povo do Líbano”, acrescenta Raickman. “Com base em nossa experiência, sabemos que isso terá um impacto tremendo no bem-estar psicológico das pessoas e permanecerá por muitos anos. É por isso que uma estratégia nacional de saúde mental precisa ser implementada para gerenciar os impactos psicológicos de longo prazo desta crise sobre o povo.”

Como a saúde mental é um pilar fundamental do trabalho de MSF no país, conseguimos mobilizar rapidamente uma equipe de nove psicólogos para participar de nossa resposta de emergência. Eles forneceram primeiros socorros psicológicos e agora estão trabalhando para desenvolver uma resposta de longo prazo para as pessoas necessitadas.

Mesmo antes de iniciarmos nossas atividades de emergência, MSF doou kits de curativos de primeiros socorros e máscaras cirúrgicas para a Defesa Civil e a Cruz Vermelha Libanesa na noite da explosão e nos dias que se seguiram, para evitar a disseminação de COVID-19. Desde então, MSF tem trabalhado para fornecer suprimentos médicos adicionais para apoiar os profissionais que prestam atendimento a grande número de feridos.

“O papel desses atores e das organizações locais tem sido crucial, principalmente nesta primeira semana após a explosão. Estamos tentando adaptar nossos projetos com base em atividades existentes e já implementadas por grupos da sociedade civil, porque eles são claramente a força motriz nesta resposta coletiva”, conclui Raickman.

MSF começou a trabalhar no Líbano em 1976 em resposta à guerra civil, enviando equipes médicas para o sul do país e para Beirute. Esta foi a primeira missão de MSF em uma zona de guerra. Hoje, MSF oferece atendimento médico gratuito em vários locais, com mais de 600 funcionários no Líbano.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar