Você está aqui

Apoio remoto à saúde mental durante a COVID-19 na Palestina

17/07/2021
Em meio às restrições de movimento, as equipes de MSF adaptaram seus serviços para continuar oferecendo cuidados de saúde mental aos pacientes; o resultado foi extremamente positivo
Apoio remoto à saúde mental durante a COVID-19 na Palestina

Foto: Laurie Bonnaud/MSF

No ano passado, à medida que os lockdowns da COVID-19 restringiam o movimento em comunidades ao redor do mundo, as mulheres em Nablus, na Palestina, ficaram repentinamente presas em casa, sem escapatória. A única maneira de alcançá-los e continuar nosso apoio foi por meio de uma estratégia de tele-aconselhamento, algo novo tanto para nossos terapeutas como para os pacientes.  

O apoio psicossocial e de saúde mental por meio da telemedicina tem se expandido nos ambientes de atuação de Médicos Sem Fronteiras (MSF). Durante a pandemia de COVID-19, as ferramentas remotas de saúde mental foram particularmente úteis para pacientes que precisam de cuidados contínuos, mas têm dificuldade no acesso a centros de saúde.

Os serviços de saúde mental, especialmente sessões de aconselhamento e consultas psicológicas, podem ser particularmente sensíveis a interrupções abruptas na continuidade do cuidado, com resultados potencialmente terríveis para os pacientes. Em Nablus, na Palestina, a equipe adaptou sua prestação de serviços de saúde mental fornecendo aconselhamento por telefone.

A psicóloga australiana Simone Silberberg atuou como coordenadora de saúde mental de MSF na Palestina:

“O projeto Nablus se concentra exclusivamente em intervenções de saúde mental e fornece acesso a psicólogos, terapeutas e um psiquiatra. Ajudamos pessoas que sofrem com transtornos mentais moderados a graves, por isso, nosso serviço é realmente focado no topo da pirâmide, atendimento especializado para saúde mental.

A maioria dos encaminhamentos vem das próprias pessoas, suas famílias e seus amigos. Esta clínica é muito conhecida na comunidade e tem uma alta reputação. Vimos, por um curto período de tempo, que durante o lockdown, houve uma queda nos encaminhamentos. Mas assim que houve um ritmo de bloqueio e um relaxamento das restrições, os pacientes começaram a ser encaminhados novamente.

A Palestina passou por ciclos de restrições, de modo que teriam semanas sem nenhum paciente e, de repente, havia um lockdown em vigor por uma semana e, depois, estávamos de volta.

Observamos um aumento de casos realmente sérios, não só violência, mas também transtornos mentais graves devido ao impacto da COVID-19 sobre a população. Todas as formas de violência doméstica e abuso infantil aumentaram durante a COVID-19. Nossos terapeutas relataram que a intensidade da violência estava aumentando devido ao isolamento social.”

A Organização Mundial da Saúde observa que o estresse, a ruptura das redes sociais e de proteção, a perda de renda e o acesso reduzido aos serviços podem exacerbar o risco de violência para as mulheres.

Autocuidado durante o lockdown

Com as mulheres impossibilitadas de ir à clínica durante os lockdowns, mas ainda precisando de cuidados, as equipes de MSF tiveram que ser ágeis e adaptar o atendimento às novas circunstâncias.

As sessões de tele-aconselhamento de Nablus foram bem recebidas pelos pacientes que, juntamente às equipes, as consideraram uma alternativa positiva em um tempo sem precedentes.

Para algumas mulheres, as consultas por telefone celular, com ou sem vídeo, eram mais convenientes pois não precisavam viajar, mas para outros era mais difícil, pois corriam o risco de serem ouvidas ao telefone em casa.

“O bom é que os pacientes continuaram a manter contato com seu terapeuta e, na verdade, tivemos uma taxa de abandono menor”, diz Silberberg. “É comum que, ao falar sobre sobreviventes e vítimas de violência familiar, raramente falamos sobre as coisas incríveis que as mulheres inventam para lidar com seus contextos porque elas estão em uma zona de guerra em casa. E uma das coisas que sempre faço com as mulheres é falar sobre: 'você já descobriu quando é mais provável que isso aconteça? Como você se prepara para isso? Para qual cômodo você vai quando sabe que a situação vai piorar? O que você faz em relação às crianças?"

“Elas descobrem maneiras de tornar a situação mais controlável para elas mesmas”, explica Silberberg. “Algumas mulheres não têm escolha de abandonar a violência, e isso é especialmente verdadeiro nos países muçulmanos porque, se elas forem embora, não poderão levar seus filhos com elas. Então elas optam por ficar e fazer alterações em suas vidas para que possam lidar com isso. Acho que é isso que sempre fico admirada quando ouço suas histórias, sobre como elas conseguem isso.

“Estou muito orgulhosa do que alcançamos na Palestina. O sindicato de psicólogos e assistentes sociais está tão impressionado que nos pediu para desenvolver um programa de estágio para todos esses profissionais no país.”

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar