Você está aqui

África do Sul: surto de cólera atravessa fronteiras

19/12/2008
De acordo com as autoridades sul africanas, há suspeita de mais de 900 casos; as áreas de maior risco são as que fazem fronteira com o Zimbábue

Como resultado da pior epidemia de cólera dos últimos tempos, o Zimbábue declarou uma emergência nacional no começo de dezembro. A cólera rapidamente se espalhou por todas as províncias do país e depois pelos países vizinhos, particularmente a África do Sul. De acordo com o Departamento de Saúde da África do Sul, há suspeita de mais de 900 casos. Recentemente, as autoridades sul africanas na província do norte de Limpopo declararam o distrito de Vhembe, que faz fronteira com o Zimbábue, como uma área de desastre.

Em resposta ao surto de cólera, MSF imediatamente reforçou as equipes já presentes na cidade de Musina no distrito de Vhembe, e também em Joanesburgo, tirando seu foco da oferta de saúde básica para zimbabuanos para priorizar o dignóstico e o tratamento dos casos de cólera assim como a promoção de higiene. MSF diagnostica pessoas com suspeita de cólera de acordo com a definição sul africana, trata pacientes moderados e encaminha os muito graves para o Departamento de Saúde.

"Todos os dias milhares de zimbabuanos atravessam o Rio Limpopo para chegar à África do Sul, arriscando suas vidas para fugir da situação no Zimbábue", disse Rachel Cohen, chefe de missão de MSF na África do Sul. "Junto com as autoridades locais, nós precisaremos ficar particularmente atentos nos próximos dias e semanas – durante o feriado do Natal, normalmente aumenta o número de pessoas cruzando a fronteira e a estação de chuvas que se aproxima pode aumentar o risco de cólera".

MSF conduz uma clínica móvel médica diaramente no "Showground" de Musina – um espaço aberto na cidade fronteiriça, onde as condições são difíceis e há pouca higiene e mais de mil zimbabuanos se reunem todo dia para se candidatar ao asilo. MSF também tem mais três equipes médicas móveis, que trabalham em fazendas, vilas e outros áreas de alto risco dentro e ao redor de Musina.

"Nós estamos trabalhando há um ano perto da fronteira com Musina e também no centro de Joanesburgo para oferecer saúde básica ao zimbabuanos", continuou Cohen. "O surto de cólera evidenciou o empenho dos zimbabuanos que procuram refúgio na África do Sul e está colocando o foco na necessidade urgente de se assegurar assistência e proteção apropriadas para essa população vulnerável".

Em Joanesburgo, MSF também está direcionando o surto de cólera através de suas clínicas na Igreja Metodista Central, onde a cada noite aproximadamente dois mil refugiados, pessoas que procuram asilo e imigrantes se reunem tanto dentro quanto fora da igreja. Junto com a comunidade da igreja e com as autoridades locais, equipes médicas estão trabalhando duro pra reduzir o risco de um surto de cólera mais grave dentro e fora da igreja. MSF também organiza equipes de promoção de higiene para repassar informação e campanhas de educação sobre cólera em áreas de alta densidade e grande risco no Distrito Central de Negócios de Joanesburgo.

Além de oferecer atendimento médico em sua clínica, MSF instalou dez latrinas fora da igreja, montou vários pontos para lavar as mãos para os residentes da igreja, providenciou treinamento de higiene para vendedores de comida e organizou um mutirão de limpeza diário com uma equipe de pessoas que moram lá para reduzir os riscos de transmissão de cólera. Treinar líderes comuniários para prestar atenção nos sinais e sintomas da cólera foi um importante componente da ação de MSF. Eles rapidamente identificaram e encaminharam casos de suspeita para a clínica de MSF, onde foram estabilizados. Assim como em Musina, os casos graves são encaminhados para o Departamento de Saúde.

MSF está trabalhando em Musina e Joanesburgo desde dezembro de 2007 e na África do Sul desde 1999.