Você está aqui

Primeiro Natal longe da família

26/12/2011

Parte 7- Guidam Roumdji, 26 de dezembro de 2011

Mais um Natal se passou. Foi meu primeiro Natal longe da minha família. Mesmo quando deveria estar de plantão, sempre troquei dia 24 por dia 31 para ficar com minha família. Tem muita gente que prefere dia 31 livre pra viajar ou festejar.

Por aqui, não trabalhei sábado e pude acordar bem tarde. Nosso coordenador, que iria fazer o macarrão, pegou um vírus e ficou de cama sexta e sábado e nossa chefe médica, sua esposa, ficou cuidando dele. No fim das contas, a Hannah, que não comemora o Natal foi quem me ajudou e se empolgou nos preparativos. Depois do almoço comecei a preparar o pavê com os ingredientes que minha mãe enviou. Também fiz brigadeiro com direito a bolinhas e chocolate granulado. A Hannah fez uma torta de limão alemã, muito boa.

Às 17 horas fomos ao jogo de futebol. Depois de muito tempo parado, pudemos voltar ao campo de futebol e foi uma partida MSF contra os adolescentes de Guidam Roumdji. Ganhamos por 1 a 0 e eu tinha já me esquecido de como é bom assistir a uma partida de futebol, não importa quem esteja jogando.... A pobre Hannah queria jogar e o universo machista nigerino a deixou jogar nos 2 minutos finais. Dr. K, que tem cerca de 50 anos, só assistiu, ninguém quis sair para deixá-lo jogar. Como é difícil as pessoas entenderem que a intenção é o esporte e a diversão, não a competição!

Enfim, para a ceia, como não teríamos mais o macarrão feito por um italiano, a Hannah fez legumes ao forno e Sekou preparou peixe grelhado.

Arrumei a mesa com os pratos e copos mais bonitos que nós tínhamos, a Hannah colocou as velinhas vermelhas que ela trouxe de suas férias para o Natal. Eu coloquei a mini-árvore que minhas irmãs mandaram e os Christmas Crackers que comprei no Malauí. Ficou super bonitinho!

Eu e a Hannah nos arrumamos e, quando o pessoal chegou pra jantar e viu que estava tudo arrumado, eles também se arrumaram.  A Irene ficou linda e o Stéfano, mesmo doente colocou uma roupa de festa. O Sekou tava todo perfumado com relógio novo e o Dr. K tava fofo como sempre.

Agradeci a todos pela oportunidade de fazer uma ceia de Natal e expliquei porque é importante para mim. O momento das sobremesas foi o melhor, até o Stéfano que não quis comer nem o peixe porque ficou com medo de piorar sua situação gastrointestinal, não resistiu e meteu a cara no pavê. Depois, estouramos os Christhmas Crackers, e nos divertimos com as lembrancinhas tipo Kinder ovo que tinha dentro de cada um deles.

Às 23h cada um já estava no seu quarto.  Foi um jantar simples e bem gostoso e eu pude passar a meia-noite sozinha com minhas reflexões e pensar na minha família e amigos, com quem eu queria muito estar.

Ontem tínhamos um casamento de um médico assistente de Niamey em Maradi. Estava toda empolgada, pois desde que cheguei fui a um casamento, mas a gente só foi na festa e não na cerimônia. Infelizmente, no sábado, um grupo rebelde atacou uma organização e roubou dinheiro e bens, e, por motivos de segurança, fomos proibidos de ir ao casamento. Nada é perfeito.

Acordei super tarde, falei um pouquinho no Skype com minha família e foi ótimo porque estavam todos lá, meus tios, meu cunhado, minhas irmãs.

À noite vimos um filme pra distrair.

Hoje também foi feriado, mas dei uma passadinha no hospital pra saber como estavam as coisas e descansei a tarde toda. Conversamos, jogamos banco imobiliário e agora todos já estão no seu quarto pra descansar.

Foi estranho não estar com minha família no Natal. Entretanto, não foi horrível. Acabei passando bons momentos com minha família provisória. Espero que vocês tenham passado um bom Natal e boa semana a todos.

Leia outros diários relacionados