Você está aqui

Ferimentos de guerra que não machucam um coração gentil

Carla Denize relata sua experiência como coordenadora de farmácia nos projetos de MSF em Áden e Mocha, no Iêmen.
31/10/2021
Ferimentos de guerra que não machucam um coração gentil

Foto: Arquivo Pessoal

“Em meio a todos os problemas de qualquer guerra, como desigualdade, insegurança e estagnação do progresso, os conflitos no Iêmen não acabaram com uma das suas maiores preciosidades: a generosidade do seu povo. Iemenitas são conhecidos no mundo árabe pela sua civilização antiga e gentil. E junto à sua adorável motivação, pode-se ter certeza de sua peculiar generosidade, sempre dispostos a compartilhar seu pão, seu conhecimento, seu carisma e sua colaboração. Prova disso foram as inúmeras vezes em que, durante meu suporte à coordenação do setor de farmácia no projeto, tivemos incansáveis planejamentos da logística de suprimentos para irem da cidade de Áden até o projeto em Mocha.

Tínhamos que fazer bom uso dos pontos fortes das nossas equipes, como o conhecimento das demandas dos beneficiários, capacidade de atendimento dos serviços, boa vontade de prestar uma assistência de qualidade apesar das diversas dificuldades e a empolgação com a oportunidade de educação continuada dos profissionais.

Tendo como principal objetivo reduzir a estatística de morbimortalidade, o hospital prestava serviços de trauma, maternidade e encaminhamentos com ambulâncias para Áden para os casos mais complexos. A localização estratégica de Mocha possibilita atender mais rapidamente nessa região geográfica, perto de linhas de batalha, pacientes com ferimentos de bala, minas terrestres e outros artefatos, bem como resultantes de acidentes de tráfego. Além disso, nossa maternidade presta assistência em casos de complicações no parto. Tivemos saídas de campo para identificar pontos de atenção em saneamento, bem como campanhas de vermifugação e apoio à nutrição de crianças com até 5 anos de idade, dadas as condições críticas de muitas famílias em situação de pobreza extrema. Fato não só ainda mais agravado por causa do componente de generosidade da comunidade.

Frequentemente, nosso setor de farmácia era solicitado para dar apoio próximo aos departamentos e enfermarias, tendo em vista que fazíamos reposição de medicamentos e materiais de forma contínua ao longo da semana, incluindo plantões aos finais de semana. Tudo isso com a cooperação dos diversos setores. Um dos pontos importantes foi também termos no time um profissional habilitado em engenharia biomédica, pois ele era responsável pelo treinamento, monitoramento e manutenção dos diversos equipamentos necessários, como raio-X, ultrassom, concentradores de oxigênio, bombas de infusão etc.

Surpreendentemente, ou talvez não, sentimo-nos convidados e aceitos, não importando nossa bagagem cultural ou religiosa. Apenas quem não perdeu sua humanidade é capaz de tal acolhida calorosa, tal qual a saudação ‘Salaam aleikum’ (Que a paz esteja convosco, em árabe), a ser respondida com ‘Alaikum salaam’, que traz a reciprocidade nas palavras também”.

Carla Denize atuou como coordenadora de farmácia no projeto no Iêmen entre agosto de 2020 e fevereiro de 2021. A farmacêutica apoiou o hospital de Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Mocha, aberto em agosto de 2018 para fornecer atendimento cirúrgico de emergência a pacientes que sofrem lesões relacionadas a conflitos, além de oferecer tratamento para outras emergências cirúrgicas; e o hospital Al-Gamuriah, em Áden, onde deu suporte às atividades contra a COVID-19.   

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar