Você está aqui

Adaptação a um contexto de segurança volátil

A farmacêutica Eliza Biasutti fala sobre sua preparação para o segundo trabalho com MSF na República Centro-Africana
16/11/2018
Adaptação a um contexto de segurança volátil

Foto: acervo pessoal

Estou em Belo Horizonte me preparando para minha próxima saída com MSF. Vou para Bangui, capital da República Centro-Africana, no fim da semana. Já participei de um projeto de 3 meses lá, como farmacêutica, e estou empolgada de voltar e rever os meus queridos colegas da equipe nacional. Vamos trabalhar juntos de novo, mas dessa vez eu vou como warehouse manager (tipo um gerente de armazém) e ficarei por 6 meses. Estou super curiosa para saber como estão as coisas porque eu fiquei sabendo que o estoque mudou de lugar e está maior e mais espaçoso. Também fiquei sabendo que há ainda muita mudança para acontecer e trabalho a fazer. Ótimo, adoro desafios!

Como eu já conheço o projeto, já sei um pouco sobre os desafios que me esperam. Um contexto de segurança complexo, mas bem definido, com direito a toque de recolher, hibernação e couché-couché. Toque de recolher significa apenas que temos um horário pra voltar para casa à noite, hibernação é quando está rolando uma manifestação muito tensa, então ficamos em casa sem sair até as coisas acalmarem. Couché-couché em francês significa “deitado, deitado”. Somos avisados pra nos deitarmos no chão em caso de tiroteio próximo. Lembro-me que na outra vez em que eu estava lá existia um campo de deslocados internos em M´Poko. Quando estávamos na nossa clínica lá dentro do campo tocava uma musiquinha no autofalante e todos tinham que se deitar onde estivessem! Para minha sorte, na maioria das vezes eu estava dentro da farmácia e não perto da latrina. Quando a musiquinha tocava de novo ou parava de tocar (não lembro ao certo) já podíamos nos levantar.

Com relação ao trabalho de MSF na República Centro-Africana, eu acho fantástico os projetos de maternidade em Bangui (saúde sexual e reprodutiva). Fazemos desde pré-natal, partos (normais e cesáreas), pós-natal até planejamento familiar, saúde mental, violência sexual, PMTCT (Prevenção da transmissão de HIV de mãe para filho). Em outra região, chamada Bangassou, há um hospital geral com todas as especialidades, até bloco operatório.  

Eu não trabalho diretamente com os pacientes, mas eu me sinto muito feliz de ser parte dessa engrenagem, uma vez que o envio de medicamentos e materiais médicos é essencial para o funcionamento das estruturas de saúde.  Imagina um hospital sem remédio?