Você está aqui

Meningite

A meningite meningocócica é uma forma altamente infecciosa da bactéria da meningite e consiste em uma séria inflamação das meninges (a fina linha que circunda o cérebro e a medula espinhal).

A meningite meningocócica é uma forma altamente infecciosa da bactéria da meningite e consiste em inflamações das meninges. A vacinação é a maneira mais eficaz de limitar sua disseminação. Médicos Sem Fronteiras trata e vacina milhares de pacientes.

Nos últimos 20 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), foram reportados quase 1 milhão de casos com suspeita de meningite e 100 mil pessoas morreram.

A grande maioria dos casos e mortes resultantes da meningite ocorre na África. Durante a estação das secas (de dezembro a junho), epidemias atingem regularmente os países localizados no chamado “cinturão africano de meningite”, região que se estende por todo o continente, do Senegal à Etiópia.

Mesmo quando a doença é diagnosticada precocemente e um tratamento adequado é iniciado, entre 5 e 10% dos pacientes não sobrevivem e acabam falecendo, normalmente, 24 ou 48 horas após o surgimento dos primeiros sintomas. Sem tratamento, até 50% dos casos podem resultar em morte.

 

O que causa a meningite?

A meningite meningocócica é altamente contagiosa. Pessoas infectadas pela bactéria Neisseria meningitidis frequentemente carregam a doença sem a manifestação dos sintomas e espalham a bactéria através da tosse e de espirros. Ambientes pequenos e superlotados aumentam o risco de disseminação da doença.

 

Sintomas da meningite

Quando pessoas infectadas começam a manifestar os primeiros sintomas, constantemente têm dores de cabeça intensas e repentinas, febre, náusea, vômito, fotofobia (baixa tolerância à luz) e enrijecimento do pescoço. Ainda que pessoas de qualquer idade possam ser infectadas pela meningite, bebês e crianças são particularmente suscetíveis.


Diagnosticando a meningite

O diagnóstico da meningite nos contextos em que MSF trabalha é normalmente difícil porque demanda um exame clínico – e rápido. É preciso realizar uma dolorosa punção lombar para que o fluído espinhal seja examinado e, algumas vezes, a bactéria pode ser vista através de um microscópio. Entretanto, o diagnóstico é confirmado pelo crescimento da bactéria no fluído espinhal ou no sangue. Esses testes para diagnóstico permitem que outros exames analisem a efetividade que certos antibióticos vão ter no paciente.

 

Tratando a meningite

Há diversos antibióticos que podem tratar a infecção, entre eles penicilina, ampicilina, cloranfenicol e ceftriaxona. Em áreas com recursos e infraestrutura de saúde limitados, óleos de cloranfenicol e ceftriaxona são os medicamentos utilizados, já que uma única dose se mostra efetiva contra a meningite meningocócica.

Entretanto, a vacinação em massa é a maneira mais eficaz de limitar a disseminação da epidemia. A OMS estima que as imunizações em massa puderam prevenir até 70% dos casos esperados em surtos individuais de meningite na África.

Em 2015, MSF vacinou 326.100 pessoas contra meningite em resposta ao surto da doença naquele ano.

 

Esta página foi atualizada em agosto de 2016.