Você está aqui

RCA: MSF pede cessar-fogo em Bangassou para permitir acesso a cuidados médicos

15/05/2017
De acordo com organização, atual contexto de violência dificulta a prestação de assistência de saúde de emergência
RCA: MSF pede cessar-fogo em Bangassou para permitir acesso a cuidados médicos

Foto: Sandra Smiley

Bangassou/Bangui, 13 de maio de 2017 – Após um confronto intenso que eclodiu na manhã de 13 de maio em Bangassou, província de Mbomou, na República Centro Africana (RCA), a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) fez um apelo a todas as partes beligerantes para que iniciassem um cessar-fogo a fim de ter acesso a pessoas feridas e com necessidades urgentes de cuidados médicos vitais.

Só hoje, 15 de maio, uma equipe móvel de MSF finalmente conseguiu oferecer cuidados médicos de emergência às pessoas que encontraram abrigo na mesquita de Bangassou. Entre as 250 pessoas que estavam ali, MSF contou 25 feridos e ofereceu cuidados de primeiros socorros a 10 pessoas antes que tiros forçassem a equipe a sair. Cinco pessoas feridas precisaram de intervenção cirúrgica. Outros 33 feridos foram tratados no hospital hoje, o que eleva o número total de pessoas atendidas, desde sábado, para 59.

MSF está extremamente preocupada com a população civil da Bangassou. A organização teve a confirmação de que pessoas deslocadas que encontraram refúgio na mesquita foram transferidas hoje para a igreja. A situação de segurança continua extremamente volátil, e os profissionais ainda ouvem o som de tiros esporádicos. MSF, mais uma vez, faz um apelo a todas as partes integrantes do conflito para que possa realizar a provisão de assistência médica de urgência para civis e pessoas feridas.

Nos últimos dias, alguns residentes de Bangassou fugiram da cidade; outros, porém, continuam presos em suas casas, ou foram buscar refúgio em lugares onde esperam encontrar alguma proteção contra a violência.

“Todos os feridos têm direito a cuidados médicos. Os civis não deveriam ser alvo, e todas as partes do conflito têm o dever de respeitar a segurança de estruturas médicas como hospitais, ambulâncias e seus profissionais”, diz René Colgo, coordenadora-geral adjunta de MSF na RCA, que atualmente trabalha no hospital de Bangassou

O conflito na parte leste da RCA se intensificou nos últimos meses, atingindo em março a província de Mbomou, que antes era considerada relativamente estável. Na segunda-feira, 8 de maio, equipes de MSF no hospital de Bangassou trataram 12 pessoas que ficaram feridas durante confrontos entre forças das Nações Unidas e um grupo armado, a cerca de 25 quilômetros da cidade.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma organização médico-humanitária internacional e independente que leva cuidados de emergência a pessoas afetadas por conflitos armados, epidemias, exclusão de acesso a cuidados de saúde e desastres naturais ou provocados pelo homem. Além de suas operações em mais de 12 localidades da República Centro-Africana, MSF vem apoiando o hospital de Bangassou desde 2014, assim como centros de saúde em Yongofongo, Mbalazine e Niakari, onde oferece cuidados médicos vitais aos 206 mil habitantes da província de Mbomou. De janeiro a março de 2017, MSF tratou mais de 2 mil pessoas no hospital de Bangassou.