Você está aqui

As vidas incertas de migrantes venezuelanos na fronteira colombiana

17/07/2019
Migrantes venezuelanos enfrentam dificuldades de acesso aos serviços de saúde na Colômbia
Migrantes venezuelanos enfrentam dificuldades de acesso aos serviços de saúde na Colômbia

Esteban Montaño/MSF

Foi no terceiro dia comendo apenas mangas que Poellis Córdoba e seu marido perceberam que era hora de fugir da Venezuela. Depois de passar por vários meses de escassez de alimentos, que eles racionavam estritamente para que seus três filhos pequenos tivessem algo para comer todos os dias, eles decidiram que tinham que deixar o país para sobreviver.

"Meu marido fez uma boa vida como pedreiro e vivíamos de forma relativamente confortável. Mas pouco a pouco a situação piorou a tal ponto que só tínhamos dinheiro suficiente para comprar sardinha e fubá. Lembro que no final só tivemos o suficiente para alimentar nossos filhos. Então não conseguimos nem isso e foi nesse momento que meu marido chegou com uma mala cheia de mangas. Quando as mangas acabaram, finalmente entendemos que não poderíamos mais aguentar ”, explica Poellis.

Primeiro, seu marido viajou para encontrar alguns de seus irmãos que haviam migrado alguns meses antes para Tibú, uma cidade de fronteira na Colômbia no departamento de Norte de Santander. Sete meses depois, Poellis chegou com seu filho de cinco anos de idade. E levou mais um ano para eles trazerem seus dois filhos mais velhos, com idades de sete e nove anos. Hoje, toda a família vive no assentamento informal do Divino Niño, um conjunto de casas com pisos de madeira, paredes de polietileno e tetos de zinco, onde os migrantes venezuelanos que não podem pagar aluguel acabam se instalando.

"A vida aqui não é fácil", diz Poellis. "Às vezes é muito difícil para nós, mas pelo menos não falta comida para as crianças", acrescenta ela. As más condições de vida e o risco de não conseguir comida são apenas dois dos desafios que Poellis e sua família enfrentam. Recentemente, seu filho mais novo desenvolveu uma pequena inflamação no estômago. "Como não parecia ser sério, decidi levá-lo à clínica de MSF, porque eles não tratam os venezuelanos no hospital daqui, a menos que seja uma emergência", explica ela.

Nas regiões fronteiriças de La Guajira, Norte de Santander e Arauca, os serviços médicos estatais não estão abertos a migrantes venezuelanos, exceto para emergências, vacinação e partos. Como resultado, entre novembro de 2018 e maio de 2019, mais de 12 mil venezuelanos utilizaram os serviços de atenção primária à saúde e saúde mental prestados por Médicos Sem Fronteiras. É o caso de Marilyn Díaz, que veio da Venezuela para Tibú há um ano e deu à luz a sua segunda filha há alguns dias em um hospital local. Depois de receber alta, ela percebeu que tinha que ir para MSF para conseguir medicamentos e consulta pós-parto.

Entre a comunidade migrante, mulheres e crianças são particularmente vulneráveis à falta de acesso aos serviços de saúde. Entre novembro e maio, quase 40% dos pacientes atendidos nas clínicas de MSF tinham menos de 5 anos de idade; as equipes realizaram quase 2.500 atendimentos pré-natais e mais de 4.600 consultas de planejamento familiar. Os problemas de saúde mais frequentes entre os venezuelanos tratados por MSF são alergias de pele, infecções respiratórias e urinárias e condições ginecológicas. Em crianças com menos de 14 anos, os problemas mais comuns foram relacionados à diarreia e parasitoses intestinais.

Além disso, quase mil pessoas receberam atendimento de saúde mental. Os principais sintomas encontrados são ansiedade e depressão, causadas pelas condições de migração, dificuldades em encontrar trabalho e separação familiar.
"A falta de acesso a serviços básicos e especializados de saúde para os venezuelanos na Colômbia é uma crise de saúde que precisa de mais atenção da comunidade internacional", diz Ellen Rymshaw, coordenadora-geral de MSF na Colômbia. "As necessidades médicas dessa população sobrecarregaram o sistema de saúde colombiano, que neste momento não tem recursos financeiros e humanos para atendê-la. Devido a essas limitações, muitos pacientes migrantes não puderam receber atenção nas salas de emergência do hospital, apesar de terem direito por lei. ”

“Pedimos um maior envolvimento da comunidade internacional para facilitar a assistência humanitária e melhorar o acesso aos cuidados de saúde para a população venezuelana através do apoio direto aos hospitais. Essa é uma crise que precisa ser urgentemente resolvida ", acrescenta Rymshaw.

Não são apenas os 350 mil venezuelanos que, segundo cálculos oficiais, residem nessas três regiões fronteiriças que necessitam de serviços médicos. Eles se juntam a milhares de pessoas que cruzam a fronteira todos os dias em busca de assistência médica e remédios, em muitos casos para doenças que não são consideradas emergências, mas que requerem tratamento estrito, que não podem ser feitos dentro da Venezuela.

Yamileth Gómez viajou mais de quatro horas para chegar à Colômbia a partir de Seboruco, no estado de Táchira (Venezuela), em busca de tratamento para o hipertiroidismo, diagnosticado em janeiro. "Na Venezuela, o remédio de que preciso não está disponível e aqui me custa mais do que posso pagar no momento. Eu até tive que pedir uma carona porque não tinha dinheiro para uma passagem de ônibus ”, diz ela.

Yamileth era professora, mas teve que parar de trabalhar por causa de problemas de voz, além de outros sintomas, como dores de cabeça, taquicardia, vômitos e diarreia. "MSF ajudará com a medicação. Espero conseguir voltar a ter uma vida normal".

As histórias de Poellis, Marilyn e Yamileth mostram os desafios que os migrantes venezuelanos são obrigados a enfrentar na fronteira da Colômbia. Depois de fugir da crise em seu país que levou a uma rotina de escassez, eles chegaram em um país que não lhes oferece oportunidades para moradia segura, trabalho ou assistência médica integral. As limitações impostas pelo sistema público de saúde e a vulnerabilidade econômica em que os migrantes vivem tornam o acesso à assistência médica uma possibilidade distante e incerta, que coloca o bem-estar das pessoas em espera.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar